O poder de estar aberto para os acasos da vida

  • Lu Gastal
  • FOTOGRAFIA: David Clode | Unsplash

Lu Gastal reflete, na coluna deste mês, sobre como o medo pode nos paralisar e como estamos desconectados dos acasos que temperam a nossa história. Afinal, estamos abertos para apreciar o que a vida nos traz?

 

Dia desses recebi um bilhetinho de uma leitora portuguesa, comentando que lê minhas divagações desde os áureos tempos do blog.

Em breves e assertivas palavras, dizia que há muito tempo leu sobre uma história de amor (no caso, a minha) e trouxe para si a mensagem de que, muitas vezes, procuramos tanto por algo (ou alguém) e não percebemos que poderá estar no lugar e hora mais improváveis.

 

Encontros certeiros

Pode parecer piegas, mas não é necessário esforço para gente enxergar que, é sim, nos momentos mais incertos que pessoas, oportunidades e momentos especiais nos acenam.

Dia desses divagava sobre impasses e certezas da vida, exatamente sobre a exaustiva espera “das horas certas” em tempos modernos.

Talvez não seja questão de tempo, talvez nossos pais e avós também esperassem demasiadamente para tomar decisões, fato é que hoje parece que, em busca dos momentos perfeitos, perdemos a carona no trem da vida.

 

VOCÊ PODE GOSTAR

A arte de administrar as saudades

Sobre o tempo: a carta de uma artesã a um padre nas redes sociais

Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

 

Medo de errar

“Não sei se estou preparado para…” é das frases mais comuns faladas por nós, adultos. Por que precisamos tanto ESTAR PREPARADOS PARA qualquer coisa, momento ou evento?

Será nosso receio em nos mostrar vulneráveis, passíveis de erro? A vida não seria um eterno ERRAR e ACERTAR? O acaso não seria exatamente a graça dos nossos caminhos?

Eu sei, você sabe, todo mundo sabe, somos diversos; pensamos e agimos conforme nossos valores, crenças e possibilidades. O que serve pra mim pode não fazer nenhum sentido pra você, e são exatamente essas diferenças e semelhanças que nos atraem naqueles que escolhemos ter por perto.

 

E se?

Se esperasse o momento certo para o amor talvez nunca o tivesse recebido; se esperasse me sentir preparada pra ser mãe não sei se Laura e Luisa aqui estariam, se esperasse para recalcular minha rota profissional talvez até hoje estivesse sentada à mesa de um escritório de advocacia.

Mas, alto lá, querido leitor, não me refiro aqui sobre tomar decisões impulsivas; divido essa reflexão no maior estilo “cá com meus botões” para que você pense aí, com os seus.

“MAS… E SE?” é uma dúvida que impulsiona ou paralisa seus movimentos?

Pense nisso com carinho.

Beijos meus!

 


LU GASTAL (@lugastal) trocou o mundo das formalidades pelo das manualidades. É advogada por formação, artesã por convicção. Autora do livro Relicário de Afetos (Editora Satolep Press), participa de palestras por todos os cantos. Desde que escolheu tecer seus sonhos e compartilhar suas ideias criativas, não parou mais de colorir o mundo ao seu redor.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 246, agosto de 2022 COMPRAR

COMENTÁRIOS

  • Geraldo

    A “dificuldade” em cursar Administração foi o “tal” do Planejamento! Mesmo tendo sido professora de Português e até escrita convincente em despacho processual, minha tia outrora comentou: “muitos ensaios em corais e liturgia para as missas e na hora, momento, não sai como no momento do ensaio”! Ai eu lhe disse que a vida sempre será o “valendo”! Na quinta feira, uma jornalista que substitui a titular na apresentação do jornal, deu uma “derrapada na leitura” da matéria, fez a correção pontual e seguiu “adiante”. Já ontem, ela aniversariante, comentou com colega o empenho que tem, assim como todos da Equipe em dar o “seu melhor”! Durante a Faculdade, um professor da área do Direito (parece ter percebido meu “DNA”: neto de Advogado) e chegou a “sondar” se eu cursaria Direito, alegou que ele havia cursado Administração, também (embora não mencione tal formação em seu currículo)! Ai entra o “encontros e desencontros”: se ele tivesse cogitado, uma Sociedade comigo, como o fez durante a carreira, aos colegas de profissão, me incentivado a ter formação na área, também claro, Não chegaria no atualmente, de trabalhar em escritório familiar, mas quem sabe seria um Escritório com especialistas em várias áreas! Viver é como numa linha de ônibus: muitos entram e descem durante o “trajeto”; quantos resolvem descer antecipadamente movidos pelo orgulho e/ou soberba! Numa Ordenação Presbiteral, no mapa feito pelo Diácono, ele usou na estrada para a Capela da primeira missa a expressão “a caminho de”! Depois da missa, eu disse ao taxista “citytour” vamos a localidade “final” dessa estrada porque não se fica no “meio do caminho”. Ele disse que interessante, nunca havia refletido sobre essa “velada” programação mental que pode sugerir as frases!

    Responder
    • Vida Simples

      E sempre é tempo de pegar novos caminhos, recalcular rotas e por aí vai. Obrigada pela partilha novamente ❤

      Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

     

    Campos obrigatórios*