O trem vai partir

  • Lu Gastal

Ano novo/vida nova, dirão alguns. Tempos de recomeço, pensarão outros; como uma segunda-feira ou um dia primeiro de qualquer mês.

Fato é: toda virada de ano carrega nossas mais secretas expectativas, e a fração emocional que nos habita está ali, atenta, tentando um jeitinho pra encaixar planos e desejos numa nova e desconhecida história.

Seja bem-vindo! Você acaba de embarcar numa viagem por estradas que talvez desconheça. Por ela haverá doze novos caminhos, e pra saber qual seguir, será necessário avaliar as condições, adversidades e possíveis riscos, logicamente sem descuidar da bagagem que você traz na mochila ou numa mala com rodinhas. Importante lembrar, caso você não possua vocação ou saúde física pra se aventurar nesta estrada com a bagagem nas costas, malas com rodinhas têm a  incrível capacidade de auxiliar no caminho, portanto, use e abuse, sem moderação.

Lembre-se que a partir deste ponto de partida haverá uma estrada com diversas possibilidades. Dizem que recomeços e novos caminhos proporcionam renovação de nossos desejos e escolhas em territórios desconhecidos.

A cada mês, ou por que não dizer, a cada estação, tente fazer uma pausa pra avaliar se há algo na sua bagagem que possa ser deixado pelo caminho. Pelas estradas se arrecada e recebe, ítens e pensamentos; portanto, para não deixar a mochila (ou mala, preferencialmente com rodinhas) estufada e pesada, desapegue do que não mais integra sua lista de prioridades. Entre roupas, livros, objetos e reflexões, o que porventura for deixado pelo caminho poderá ser útil à outra pessoa, e talvez essa seja a maior expertise de mochileiros e viajantes: avaliar a prioridade de suas bagagens nos próximos caminhos.

Se for possível, em partes do trajeto procure sentar numa janelinha; tenha instantes só seus, observe, reflita, contemple, talvez  desses momentos sejam deliberados movimentos para os próximos passos.
Se nada disso for possível, entenda: novas estradas proporcionam oportunidades de validar aquilo que só a nós próprios faz sentido! Portanto, basta seguir o caminho nas doze futuras etapas dessa viagem chamada 2021.

Bem vindo ao ano novo! Pense como se este fosse seu período sabático, mesmo que você sequer pise fora do seu lar. Vem aí um período propício para o equilíbrio do querer, do sentir e do pensar, afinal, se dizem que tempos sabáticos possibilitam reflexões intensas, que o façamos de onde estivermos. Refletir é preciso e faz bem!

Há algo que o intenso 2020 nos ensinou: amadurecer laços afetivos; em tempos de distanciamento social e medos intensos esse foi, pra mim, dos maiores legados.
Sabemos que esse ano não foi uma “estrada” para viajantes amadores,  demandou altas doses de compreensão e paciência, mas pelo caminho havia placas comunicando que esse poderia ser um tempo de cada um acordar pra alguma área da sua vida.

Bem vindo à 2021! Vinte anos depois da imaginária “odisséia no espaço”, entramos numa odisséia ao desconhecido, com os dois pés no chão de alguma estação.

Pode pegar sua mala, o trem vai partir!


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 227, janeiro de 2020 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*