Você tem medo de quê?

  • Ale Garattoni

A mania de tentar se blindar contra todos os males não apenas é inútil, mas também um baita gatilho de ansiedade, mal-estar e desânimo

 

Deu no NY Times: “Temos uma epidemia causada pelo coronavírus e uma pandemia causada pelo medo”. A frase foi dita pelo governador de Nova York depois que onze casos foram confirmados no estado neste começo de março. Sim, a doença chega em mais um lugar do mundo, mas o medo sempre aterrissa antes do vírus em todos os países.

Duas semanas atrás, prestes a embarcar para Manhattan, me vi contaminada pelo pânico, prestes a desistir da viagem, ainda que não houvesse um só caso na cidade de destino. O que seria uma semana feliz e planejada, ao lado de várias pessoas da minha família, começou a se tornar um martírio e um gatilho de ansiedade a cada capítulo de telejornal. A sensação de medo tirou de mim aquilo que considero uma das partes mais legais de uma viagem, os dias que a antecedem.

ASSINE A VIDA SIMPLES

“Eu sou um homem velho e conheci um grande número de preocupações, mas a maioria delas nunca aconteceu.” Essa famosa citação de Mark Twain veio à minha mente como um antídoto contra esse pânico imaginário generalizado que nos tira até a capacidade de discernimento. Existem riscos reais de pegar uma gripe (a do corona ou qualquer outra) em uma viagem? Claro. Mas também há outros tantos riscos na vida e se ficarmos presos a todos eles não poderemos sequer respirar. Nem viver! É utopia pura achar que podemos nos blindar contra todos os perigos. A precaução termina quando começa a autodestruição da pre-ocupação – que nada mais é do que se ocupar, além da conta, de algo antes da hora.

Blindar-se contra tudo é inútil

Não cancelei a viagem e, enquanto estava no voo, em uma destas sincronicidades mágicas, assisti a um dos capítulos do documentário Goop Lab (a marca de bem-estar e estilo de vida de Gwyneth Paltrow). Até me assustei ao ouvir, no trecho sobre questões mentais, que “muito da nossa ansiedade vem do que tem a ver com controle.” Bingo! O que traz a pandemia do medo – nesta e em qualquer outra questão mundial – é o desconhecido, é a vontade de controlar o incontrolável e evitar qualquer sinal de risco. É o não saber de onde pode vir o vírus, é a tentativa de se proteger além da conta, é o desejo de se blindar contra todo e qualquer mal.

ASSINE A VIDA SIMPLES

Serve para o tema de saúde pública da vez, mas também se encaixa a tudo que te assusta: o medo de perder um emprego, o medo de não ser adequado, o medo de desagradar alguém que você ama. O antídoto? Entender que não temos nada sob controle. Que talvez você perca o emprego. Ou não. Que talvez você se contamine. Ou não. E que caso caia no pior cenário vai trabalhar rumo a uma solução – não vai fazer tanta diferença assim se você sofreu por antecipação nestes casos.

A mania de tentar se blindar contra todos os males não apenas é inútil, mas também um baita gatilho de ansiedade, mal-estar e desânimo. Martírio mesmo é querer controlar o incontrolável.

P.s.: para uma explicação muito interessante sobre o assunto, recomendo o TED “O que o medo pode nos ensinar”, de Karen Thompson Walker. Na palestra, acima de tudo, ela explica como focamos no que parece mais assustador, deixando de lado o que é mais comum.

 

Ale Garattoni é carioca, formada em Administração de Empresas, com especializações em Marketing e Jornalismo de Moda. Fundadora da Amo Branding, que trabalha imagens de marcas com base no autoconhecimento, e do @Blog5Sentidos, que criou para compartilhar seu processo de transformação pessoal. Por aqui, mensalmente, divide sua experiência nesta caminhada.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 235, setembro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*