Por que transformamos a vida numa sala de espera?

  • Tiago Belotte

Confesso que meu maior receio é entrar no modo de espera cantado por Chico Buarque, me guardando pra quando o Carnaval chegar. Porque até lá, o tempo fluiu

 

Outro dia, ouvi uma pessoa dizer: só faltam 4 meses para o ano terminar, mas eu ainda estou esperando ele começar. Então, fiquei me questionando, se para além da brincadeira, ela não deixou mesmo de fazer várias coisas e tomado muitas decisões, em função dessa expectativa. Virei a pergunta pra mim, será que eu também deixei a vida correr e fiquei esperando o anúncio da vacina ou do fim do isolamento social?

Tá comprovado, por estudos científicos, que nossa percepção do tempo foi afetada pela pandemia. Mas o que, até que se prove o contrário, não mudou foi o fato de que o tempo continua passando. Não vai dar pra comemorar a mesma idade no ano que vem. A viagem de férias deste ano, se foi adiada para o próximo ano, não é mais a viagem de férias de 2020. Longe de mim querer te deixar triste com esse questionamento. A vontade é de refletir sobre nossa posição diante de uma vida que, com ou sem vírus no ar, continua seguindo seu curso.

ASSINE VIDA SIMPLES

Será que em algum momento transformamos nossos dias numa sala de espera, saguão de aeroporto ou rodoviária? Sabe, esses lugares que você está só esperando algo acontecer. O médico chamar, o avião chegar ou dar a hora do ônibus partir? São nesses espaços que a gente entra em modo de espera e faz coisas apenas pra passar o tempo. Compra uma café e reclama do preço, come novamente o pastel com gosto de viagem da infância, fica folheando revistas de 3 anos atrás e se perguntando se deveria ter encostado naqueles papeis potencialmente cobertos de coronavírus.

Vão chamar seu nome

Confesso que meu maior receio é entrar no modo de espera cantado por Chico Buarque, me guardando pra quando o Carnaval chegar. Porque até lá, o tempo fluiu, virou memória e quero tanto que sejam memórias que tenham valido a pena. Apesar de qualquer coisa. Esperar pode ser um movimento ativo ou passivo. Quando é passivo, é expectativa inerte de que algo mude, sem que a gente necessariamente contribua pra isso. É arquibancada. Esperar ativamente é esperança, sentimento de que é possível contribuir para mudar a realidade e realizar por nós mesmos. É estar no jogo.

ASSINE A VIDA SIMPLES

Mas, se te bater a sensação de que está na sala de espera. Aproveita o momento e a reflexão. Levanta e vai lá conferir, com certeza já chamaram seu nome.

 

Tiago Belotte é fundador e curador de conhecimento no CoolHow – laboratório de educação corporativa que auxilia pessoas e negócios a se conectarem com as novas habilidades da Nova Economia. É também professor de pesquisa e análise de tendências na PUC Minas  e no Uni-BH. Seu Instagram é @tiago_belotte. Escreve nesta coluna semanalmente, aos sábados.

 

*Os textos de nossos colunistas são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião de Vida Simples.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 223, setembro de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Colocar atenção no que é essencial em nossa existência é um caminho para viver de forma mais íntegra e verdadeira. Saiba reconhecer o que é mais valioso para você



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*