Vida Simples sugere boas ações para redução da sobrecarga

  • TEXTO Camilla Marinho
  • DATA: 22/08/2020

Se nossa conta estivesse sendo medida em uma instituição financeira, estaríamos no cheque especial

 

Pensar no que fazemos e como contribuímos para manter ou destruir o planeta é tarefa constante. Hoje, o Dia de Sobrecarga da Terra, é mais marcante. É a data em que a Global Footprint Network, uma instituição internacional de pesquisa, mostra quando nós, nesse sentido, se continuarmos agindo com irresponsabilidade, esgotaremos os recursos naturais que a Terra é capaz de regenerar.

Embora os dados do Dia de Sobrecarga da Terra sejam divulgados anualmente desde 1961, a cada ano essa data muda para mais cedo – sinal do quanto o nosso impacto, por meio de extração, produção e consumo, é negativo no ecossistema. Há perda da biodiversidade, alta poluição no ar e solo e escassez de água doce. Se nossa conta estivesse sendo medida em uma instituição financeira, estaríamos no cheque especial.

Mas neste ano, devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, que nos fez ficar reclusos em casa, foi constatado que é possível diminuir a demanda por recursos naturais. Devido ao isolamento social e a desaceleração econômica, foram registrados os seguintes dados:

  • Redução de 14,5% na pegada de carbono global
  • Redução de 8,4% na pegada ecológica de produtos florestais

Com isto, constatamos que é possível reduzir o quanto demandamos da Terra. E você pode continuar fazendo a sua parte com algumas mudanças no dia a dia.

  • Reduzir o consumo de carne vermelha
  • Reduzir o desperdício de alimentos
  • Investir em energia renováveis
  • Mobilizar familiares e amigos para adotar hábitos mais sustentáveis.
  • Se possível, trocar o carro pela bicicleta ou transporte público
  • Colaborar com a natureza.

Projeto #vistavida

Nossas máscaras do projeto #vistavida, têm como objetivo rastrear toda a nossa cadeia de produção, desde a matéria-prima até o consumidor final. Entendemos que a rastreabilidade é importante para nos trazer clareza dos impactos que causamos e como podemos agir para neutralizá-los.

Sendo assim, em parceria com o Sítio Amaranto, que trabalha com produção e beneficiamento de plantas medicinais em sistemas agroflorestais, iremos plantar 80 mudas de árvores a fim de reduzir o impacto causado na pré-produção das nossas máscaras #vistavida. Chegamos neste número aproximado, por meio do projeto #circularidade.

Nosso objetivo, principalmente, é neutralizar a emissão de CO2 emitido durante o transporte das máscaras e que teve seu início no envio da matéria-prima (algodão orgânico) da Paraíba. Então, para saber mais sobre nossas máscaras #vistavida, clique aqui.

Por fim, acesse a nossa loja, garanta a sua e nos ajude a transformar o consumo em uma ferramenta poderosa de mudanças socioambientais

Fontes: Instituto Akatu e Fashion Revolution Brasil

 

Camilla Marinho é idealizadora CHÃO PIAUÍ e DAMN Project. Articuladora nata, pensadora e criativa, uniu muitos projetos que comunicavam a sustentabilidade no setor da moda, e com isso, foi uma das porta-vozes que possibilitaram a abertura dos caminhos no que se refere ao mercado da sustentabilidade na moda em São Paulo hoje.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 232, junho de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*