⁠   ⁠
COMPARTILHE
O que psicanalistas dizem sobre a relação da psicanálise com a ciência?
Unsplash
Siga-nos no Seguir no Google News

Natália Pasternak se tornou um nome rotineiro na cobertura da pandemia da Covid-19. Seus esforços em defesa da ciência e por uma política de saúde pública efetiva contra a crise sanitária contribuíram para o combate às fake news. O trabalho da pesquisadora ganhou mais uma vez a atenção do público depois do lançamento do livro Que bobagem! pseudociências e outros absurdos que não merecem ser levados a sério (Editora Contexto), também assinado por Carlos Orsi. Na obra, os autores afirmam que acupuntura, homeopatia e psicanálise, são pseudociência. Para aprofundar o debate, ouvimos psicanalistas para entender a relação – nem sempre tranquila – entre psicanálise e ciência.

No livro, os escritores afirmam que desde os anos 1950 a psicanálise é dada como exemplo de pseudociência. Segundo a obra, a Psicologia científica cobra evidências mais robustas para justificar alegações teóricas quanto a sucessos clínicos. Por outro lado, psicanalistas explicam que a relação entre a psicanálise e métodos científicos é possível e já acontece.

“A psicanálise reconhece a singularidade de cada indivíduo”, explica a psicanalista Nathália de Paula. A especialista destaca que compreender a história de vida, os conflitos internos e as experiências traumáticas são fundamentais para o campo. Essas dinâmicas inconscientes, segundo ela, moldam o comportamento e as emoções de uma pessoa.

É certo que a relação dessa prática com a ciência nem sempre foi pacífica. Os atritos entre ambas fazem parte da história da formação e desenvolvimento da psicanálise. “No entanto, isso não significa necessariamente que não há espaço para uma abordagem mais subjetiva e exploratória na ciência contemporânea”, sugere a psicanalista Debora Guerra. Para ela, a psicanálise tem grande valor como compreensão da mente humana.

LEIA TAMBÉM

O que você precisa saber antes de começar a fazer terapia

Existe um caminho de conciliação para a psicanálise?

Sim, é possível que, juntas, a psicanálise e a ciência encontrem espaço de diálogo e validação. Para Nathália de Paula, compreender a complexidade do inconsciente humano e a individualidade de cada pessoa não é simples. “A mente humana não é apenas uma coleção de processos cognitivos mensuráveis, mas também sofre influência de fatores culturais, sociais e emocionais únicos para cada pessoa”, reforça.

Esse elemento é reforçado pela terapeuta comportamental e psicanalista Patricia Strebinger. Segundo a profissional, a compreensão de fenômenos psicológicos complexos nem sempre poderá ser mensurado a partir de métodos quantitativos. “Existe espaço para a coexistência da psicanálise com as abordagens científicas atuais, desde que haja um diálogo aberto e respeitoso“, enfatiza.

Na obra, Natália Pasternak e Carlos Orsi alfinetam que muitos dos casos trazidos por Freud estão distorcidos. Para esquentar o debate, dizem que os casos clínicos do médico são “imposturas do início ao fim” (página 190). “O projeto científico a princípio legítimo [da psicanálise] degenerou em uma forma de religião secular”, afirmam na página 185 do livro.

Para a psicanalista Nathália de Paula, ao desconsiderar as contribuições da psicanálise na compreensão de fenômenos complexos do ser humano, forma-se uma percepção de menor valor e descarte dos avanços feitos por esse campo. “Esse preconceito é muitas vezes exacerbado por um conhecimento superficial das contribuições da psicanálise. Isso subestima sua relevância histórica e limita sua integração nas práticas contemporâneas.”

 VOCÊ PODE GOSTAR

As emoções influenciam a saúde mais do que você imagina

Equilíbrio entre as abordagens

“A psicanálise oferece insights profundos sobre as emoções humanas”, destaca Debora Guerra. Isso ocorre, principalmente, por meio da exploração do inconsciente e das motivações ocultas. “No entanto, a abordagem científica convencional busca uma compreensão objetiva e quantificável do mundo, frequentemente empregando métodos experimentais rigorosos”, acrescenta.

Segundo a especialista, há diversos espaços que podem unir pesquisadores e psicanalistas na busca por um caminho resolutivo. Entre eles estão a pesquisa interdisciplinar, estudos longitudinais, abordagens mistas e a neurociência afetiva. “É possível também testar alguns aspectos da psicanálise de forma empírica. Por exemplo, a interpretação de sonhos e os processos de transferência e resistência podem ser explorados em configurações de pesquisa controladas”, contextualiza.

Embora nem sempre a validação dessa abordagem seja simples, há alguns caminhos que unem a psicanálise e a ciência. “Uma maneira é usar a neurociência para investigar os fundamentos biológicos dos conceitos psicanalíticos”, sugere Nathália de Paula. Ela menciona que há importantes estudos que relacionam a abordagem psicanalítica à redução de sintomas ligados à ansiedade, depressão e outros transtornos. Revistas respeitadas como a Psychological Medicine e a American Journal of Psychiatry já divulgaram pesquisas do tipo.

Segundo a especialista, é necessário incluir a psicanálise em programas de apoio institucionais e formativos, assim como em financiamentos de pesquisa e formação, além de regulamentar a profissão. Passos iniciais, mas importantes para um campo profissional com mais de um século de atuação no país.

LEIA MAIS

Conheça os caminhos da logoterapia para encontrar o sentido da vida

A vida pode ser simples, comece hoje mesmo a viver a sua.

Vida Simples transforma vidas há 20 anos. Queremos te acompanhar na sua jornada de autoconhecimento e evolução.

Assine agora e junte-se à nossa comunidade.

0 comentários
Os comentários não representam a opinião da revista. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe seu comentário