⁠   ⁠
COMPARTILHE
Slow travel: experimente viajar sem pressa nas próximas férias
ILUSTRAÇÃO TIAGO GOUVEA • @TGOUVEA O turismo sem pressa não tem a ver com um determinado destino ou algo ecológico, cultural ou zen. O que mais importa é a verdadeira conexão que se estabelece com o lugar, a comunidade e a possibilidade de rever a si mesmo
Siga-nos no Seguir no Google News

O conceito de “slow travel” está ganhando cada vez mais destaque nas opções de viagem, redefinindo a maneira como exploramos novos destinos e nos conectamos com as comunidades locais. Muitas vezes, a pressa de conhecer múltiplos lugares em um curto espaço de tempo nos impede de realmente absorver a essência de cada local.

Para acessar este conteúdo, crie uma conta gratuita na Comunidade Vida Simples.

Você tem uma série de benefícios ao se cadastrar na Comunidade Vida Simples. Além de acessar conteúdos exclusivos na íntegra, também é possível salvar textos para ler mais tarde.

Como criar uma conta?

Clique no botão abaixo “Criar nova conta gratuita”. Caso já tenha um cadastro, basta clicar em “Entrar na minha conta” para continuar lendo.

Este relato de uma jornalista que inicialmente planejava uma viagem a cidades turísticas no sul do Brasil, mas acabou se rendendo a uma mudança de clima e ritmo ao explorar a serra catarinense, ilustra perfeitamente como o “slow travel” nos permite apreciar a autenticidade de um destino.

Muda o clima, o cenário e o ritmo da viagem

A serra catarinense não estava nos meus planos. O objetivo até chegar de carro às cida­des turísticas do Rio Grande do Sul, com meu marido e filhos, era passar uns dias na minha irmã que mora em Florianópolis viajando pelo litoral.

No entanto, às vésperas da nossa saída de São Paulo, ela falou que também gostaria de passar um tempo fora de casa. Resolvemos, então, mudar o clima e o cenário e nos encon­trar em Urubici, uma das regiões mais altas e frias do Brasil.

No caminho, já no pé da serra, paramos numa pequena cidade chamada Au­rora para nos hospedar na casa de uma se­nhora descendente de colonizadores alemães. Eu ainda não sabia, mas estava no lugar que mudaria meu olhar de turista para sempre – neste momento, sinto ter de revelar ao leitor que espera algo surpreendente desta história: nada de extraordinário aconteceu em Aurora. E foi justamente isso que me fascinou.

Cozinheira de mão cheia, Dona Sieglinde nos acomodou há dez anos em um quarto vizinho ao seu, no coração de uma morada rica em animais e em produção de hortaliças, frutas, doces e conservas. Do lado de fora, enquanto ela cuidava de sua propriedade, meus filhos brincavam numa praça, até que a turma intei­ra de uma sala de aula chegou para curtir o recreio com eles.

Ritmo devagar, clima de festa

“Mãe, Aurora tem festa todo dia?’, escutei. E era mesmo o que parecia. Sieglinde faz parte de um grupo de agricultores que trabalham em rede pelo agro-turismo ecológico e que formam a Acolhida na Colônia, um projeto filiado à organização Accueil Paysan, que surgiu na França na dé­cada de 1980 e se expandiu para mais de 30 países, entre eles o Brasil.

“Para se associar, é preciso desenvolver atividades agrícolas em propriedade rural, trabalhar com alimentos livres de agrotóxicos, comercializar produtos regionais e praticar o agroturismo’, explica a técnica Lucilene Assing, sem descrever em palavras o que está cravado na raiz do proje­to e que encanta qualquer turista de mente aberta: o acolhimento genuíno.

Desacelerar para desfrutar

Não se trata de turismo comunitário, ecológi­co, cultural ou zen, embora haja afinidade com cada um deles. O turismo sem pressa – ou slow travel, conceito que vem do Movimento Slow, criado para diminuir o ritmo frenético das pessoas – tem se elaborado como um esta­do de espírito do viajante. E o destino, seja urbano ou rural, longe ou perto, é o que menos importa.

“Muito mais significati­vo do que conhecer 15 cidades em poucos dias e colecionar pontos turísticos famosos e selfies é conversar com uma pessoa local e entender a cultura do lugar. Isso, sim, nos transforma”, diz Patricia Haberkorn, prestes a viajar de bicicleta por rotas alternativas da Croácia com amigos já habituados a rea­lizar esse tipo de passeio, sem turismo con­vencional, pela agência Bike Expedition. “É incrível conhecer a realidade dos lugares e seus povos.” Um movimento que, aliás, ela sabe fazer muito bem.

Você também pode gostar
Slow travel: o que é esse movimento e como viajar assim
Movimento slow: por um mundo com propósito
Viagem terapêutica: o autoconhecimento como destino

Muito além da troca: o compartilhamento

Proprietária do hotel-fazenda Morros Ver­des, em Ibiúna (SP), Patricia se dedica des­de 2006, com seus pais e irmãos, a compre­ender e transformar a terra e a comunidade em que estão inseridos, no bairro Verava.

Além de a família escolher uma área degra­dada de Mata Atlântica para reflorestar par­tindo da filosofia da permacultura, contra­tou antropólogos para conhecer as pessoas que moram lá e suas necessidades.

“Para nós, não adianta construir uma ilha num lu­gar sem riqueza, como acontece com outras hotelarias em áreas rurais do país. Entende­mos que somos uma das unidades do bair­ro e que é interessante crescermos juntos, inclusive porque toda nossa mão de obra é local”, explica.

Slowtravel turismo sem pressa viagem Sem a expectativa de percorrer muitos lugares em pouco tempo, registrando tudo com selfies, no modo slow
vivenciamos com presença cada lugar percorrido, desfrutando do que ele tem a nos encantar e transformar

De lá para cá, o hotel já mon­tou junto à prefeitura um instituto com bi­blioteca e espaço para festas e cursos, além de uma escola no contraturno para filhos de funcionários e outras crianças.

Hoje, Patricia trabalha especialmente na integração entre turistas e moradores para que haja uma troca além do convencional. “Nossa ideia é fazer com que o hóspede não se limite ao contato com a comunidade local só dentro do hotel, mas também que ele vá visitar as casas dos moradores que abrirem suas portas para conhecer sua produção. Isso gera renda extra e um intercâmbio de culturas”, conta ela, permitindo que o tu­rista conheça novas formas de viver e, com isso, reflita sobre seu estilo de vida, como se relaciona e sobre quais atitudes de mudança estão ao seu alcance, incluindo nos lugares por onde passa.

O legado da viagem com presença

Há quem associe o turismo de transfor­mação apenas às peregrinações ou retiros espirituais, de meditação ou detox. No en­tanto, no slow travel, cuja mentalidade nos conecta a tudo que acontece no entorno (e não só dentro de nós), vale pensar também no legado.

Na fazenda da Patricia, o hóspe­de pode plantar uma árvore, colher o que será servido mais tarde ou participar de algum projeto social do bairro. “Proponho um turismo consciente, de vivência, onde o turista sempre terá uma comunicação com a terra ou com a comunidade.”

Slow travel: uma rede para viajantes

Para reforçar essa prática, ela lançou um projeto inspirado no WWOOF, programa mundial de intercâmbio em fazendas orgâ­nicas, onde um turista voluntário trabalha quatro horas por dia em troca de hospeda­gem e alimentação.

No início do ano, a mes­tra em TI e design digital Amanda Camillo Palandi passou por lá, deixando pegadas e enriquecendo a vida. “Adquiri conheci­mentos importantes sobre agrofloresta e me senti da família. Minha colaboração na parte digital, registros fotográficos e mesmo minha presença foram muito valorizados”, lembra a viajante, que logo estará em Portu­gal transformando mais um lugar do mundo em seu lar, doce lar.

➥ Aprofunde-se no tema
Os 7 princípios de um cidadão do mundo
Os desafios de viajar sozinha quando você é mulher
Uma viagem é aprendizado direto da fonte


IZABEL DUVA RAPOPORT é jornalista e viajante encantada por ecoturismo. E tem amado subir montanhas madrugada adentro para ver o sol nascer.


Conteúdo publicado originalmente na Edição 246 da Vida Simples

A vida pode ser simples, comece hoje mesmo a viver a sua.

Vida Simples transforma vidas há 20 anos. Queremos te acompanhar na sua jornada de autoconhecimento e evolução.

Assine agora e junte-se à nossa comunidade.

0 comentários
Os comentários não representam a opinião da revista. A responsabilidade é do autor da mensagem.

Deixe seu comentário