Artista da natureza

  • DATA: 20/05/2015

Parece quase impossível que tantas atividades e projetos diferentes caibam em uma pessoa só. Mas a vida do professor universitário Jair Putzke, de 46 anos, é movida por muitas paixões, sempre cercadas pela natureza. A mais inusitada é o museu que criou, instalado no sítio onde vive, na modesta Vera Cruz, interior do Rio Grande do Sul. O que o museu tem de tão especial é a forma como Jair se envolve no trabalho. Como quem procura joias num garimpo, o biólogo faz incursões nos rios e arroios da região à procura de lixo, materiais descartados que viram obra-prima para contar a história de uma de suas paixões: os bichos.  ?Tenho esculturas em tamanho real de 40 espécies de dinossauro, todas feitas com esse material que recolho?, conta. Até a grama cortada do sítio ganha função e vira alguma arte. A casa onde ele vive com a mulher também foi o lugar onde Jair passou a infância e se encantou, logo cedo, pela vida animal. Nada o fazia perder o foco nas formigas que ele assistia trabalharem, por longas horas. Essa curiosidade em mergulhar na fauna e flora faz do professor e biólogo um pesquisador aficionado. Como parte das aulas que dá na universidade e em escolas do município, Jair organiza viagens de estudos com os alunos para os mais diversos lugares do Brasil. ?Assim, as aulas ficam recheadas de conteúdo novo, tudo se torna mais rico?, comenta. Mas o seu trabalho vai além. Na Amazônia, estuda fungos e cogumelos; na África, ajuda comunidades carentes a produzir mais e melhor nas lavouras, sem danificar o meio ao redor. E tem ainda o seu projeto de pesquisa de maior apreço: a Antártica, onde desde 1986 ele pesquisa sobre plantas e fungos locais. Em 18 expedições, foram cerca de 800 dias no continente gelado. ?Essas análises têm revelado como as mudanças climáticas vêm afetando as espécies vegetais e animais que vivem no Polo Sul?, diz. Jair é mesmo um homem de muitos projetos. Também alimenta o sonho de ser instrutor de voo para ultraleves, ajudando jovens a realizar o desejo de voar. Quem convive com Jair afirma: esse jeito sonhador pode nos fazer agir para que o mundo seja diferente e melhor. Uma lição e tanto para um homem que observava as formigas e fez delas o primeiro passo para alçar seus sonhos.

“Do lixo que recolhi, fiz mais de 40 espécies de animais, todas em tamanho real” – Jair Putzke


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 215, janeiro de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Como ser feliz no trabalho: Para encontrar satisfação em um emprego, é preciso resgatar talentos e renovar o nosso jeito de olhar a vida



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*