Thais Corral: ativista acidental

  • TEXTO Rodrigo V. Cunha
  • DATA: 13/11/2021

Neste episódio da série Humanos de Negócios, Rodrigo V. Cunha conta o que aprendeu com a ativista Thais Corral.

Em 1992, o mundo se voltou para o Rio de Janeiro. A cidade maravilhosa sediou a segunda Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida como Eco-92. O primeiro encontro acontecera vinte anos antes, em Estocolmo, na Suécia, quando foram dados os primeiros alertas sobre os danos causados pela humanidade ao meio ambiente. O longo hiato só agravou a situação e a necessidade de um acordo global capaz de frear as mudanças climáticas.

Um ano antes da Eco-92, uma dúzia de mulheres de diferentes partes do mundo se reuniram nos Estados Unidos decididas a elevar a voz feminina e o debate sobre justiça social, econômica e ambiental. O grupo chamado WEDO80 era liderado pela senadora e ativista de direitos humanos norte-americana Bella Abzug e contava também com a queniana Wangari Mathaai, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, e a indiana Vandana Shiva, pesquisadora e expoente do ecofeminismo.

Elas recrutaram para o grupo duas brasileiras: Ruth Escobar, a primeira presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM), criado durante o Governo Sarney, e Thais Corral, ativista e articuladora de duas organizações no país. Ruth era mais conhecida — não só pela atuação política na nova República, mas também pela produção teatral. Foi presa durante a ditadura ao produzir a peça Torre de Babel, que trazia um burro chamado Ernesto, o mesmo nome do então presidente da República, general Ernesto Geisel.

Ativista no mundo

Coube, porém, à Thais um papel fundamental na história do desenvolvimento sustentável e do feminismo no mundo. “Alguém contou para elas sobre o meu trabalho no Brasil. Nem a Ruth eu conhecia pessoalmente. A Bella queria uma pessoa forte no Brasil para liderar um evento na Eco-92. A Ruth já estava em outra, fazendo trabalhos de desenvolvimento pessoal, nos Estados Unidos. Eu falei: como é que eu vou me meter nessa história toda? Ninguém me conhece! Acabei catapultada, aos 33 anos, para um lugar que eu não imaginava de organizar todas aquelas reuniões internacionais, fazer parte de sessões de cúpula com Maurice Strong, subsecretário geral da ONU, e estruturar no Brasil e em outros países da América Latina um grande movimento de mulheres e sustentabilidade.”

Como na Jornada do Herói, de Joseph Campbell, Thais, de constituição miúda, olhos pequenos e ideias fortes, foi alavancada à posição de protagonista, deixando para trás o mundo tal qual o conhecia. Até então, ela exercia uma liderança discreta e restrita praticamente ao círculo de feministas e ambientalistas. Filiada ao Partido Verde, ela se viu, de repente, organizando e recepcionando o Planeta Fêmea, uma tenda armada no Parque do Flamengo, com mulheres de toda parte do mundo dispostas a discutir temas como direitos humanos, população e desenvolvimento, pobreza, mulheres, desenvolvimento e paz, assentamentos humanos e segurança alimentar.

“Durante 14 dias, 1.500 pessoas passaram diariamente por aquele espaço. Vinham desde chefes de Estado a celebridades, como Shirley MacLaine e Jane Fonda, passando por uma freira do Cazaquistão e mulheres indígenas. Toda a diversidade que alguém puder imaginar estava naquela tenda. No final, tivemos um clipping de mais de três horas de exposição em televisões e documentários do mundo inteiro, além de entrevistas e reportagens em jornais do mundo todo.”

Continue a ler a trajetória de Thais Corral no livro Humanos de Negócios.


Sobre o livro

Quem são aqueles que estão hoje à frente do movimento de transformação da economia no mundo? Quais foram as escolhas feitas em suas vidas e trajetórias profissionais que os colocaram nessa jornada? Suas referências? Lembranças que trazem da infância e que moldam o que eles são hoje? Afinal, quem são os humanos por trás dos homens e mulheres que conhecemos de revistas, livros, palestras e cases de negócios? O jornalista Rodrigo V. Cunha relata as trajetórias percorridas por 27 homens e mulheres — líderes, empreendedores, inovadores e questionadores —, cujas histórias foram captadas em conversas e entrevistas com o autor.


Para adquirir o livro ou saber mais sobre o projeto acesse  Humanos de Negócios. A Editora Voo fez um cupom de desconto para os leitores de Vida Simples. Entretanto, comprando o livro pelo site da editora e usando o cupom vidasimples, os leitores têm direito a 10% de desconto no livro.


A série Humanos de Negócios, por Rodrigo V. Cunha, é publicada quinzenalmente aos sábados.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 238, dezembro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*