No mesmo vagão

  • TEXTO Danielle Villeroy, Hiverton Aquino, Jaqueline Lavor e Paulo Madeira
  • DATA: 31/07/2020

A vida é mesmo uma viagem muito pessoal e, por vezes compartilhada, em que é fundamental descobrirmos o que nos move

 

Era noite na estação de trem. Sem que nos déssemos conta, eu e outras três pessoas desconhecidas estávamos juntas num vagão, naqueles bancos em que os passageiros se sentam uns de frente para os outros. Viemos de lugares diferentes, mas iniciamos ali uma nova viagem. Depois de alguns minutos, começamos uma longa e deliciosa conversa, embalada pelo som do trem correndo sobre os trilhos.

A mais jovem entre nós, contou que estava em busca de um trabalho que fizesse sentido. Desde cedo, trabalhou para se manter, mas o que fazia todos os dias não era exatamente o que sonhava. Decidiu embarcar nessa viagem para pensar num novo propósito. O que estava claro para ela era a necessidade de exercer uma atividade em que pudesse lidar com pessoas e trazer para elas e para si própria o bem-estar necessário para ser feliz. Ela tinha na bolsa uns caderninhos repletos de post-its coloridos e passou boa parte da viagem anotando coisas.

FAÇA A JORNADA DE AUTODESENVOLVIMENTO

Curioso ao ver tantos cadernos, seu vizinho de cadeira, um professor de língua portuguesa revelou que também tinha muitos desses caderninhos de notas para os vários assuntos que povoam sua mente inquieta. Neles escrevia poesias, registrava assuntos de trabalho, referências de filmes e de livros. Por questões práticas, optou por uma filosofia minimalista e adotou o celular como lugar de suas anotações. E assim, nos contou que sua casa tem apenas o essencial e, claro, poucos e bons livros na estante. Viajava naquele momento em busca de um pouco de solidão para mergulhar num processo de autoconhecimento. Levava nas mãos o livro de Herman Hesse intitulado “O lobo da Estepe”, um de seus favoritos.

A viagem da vida

Ao meu lado estava um homem mais velho. Com 70 anos, disse que trabalha há muitos anos em obras na cidade de São Paulo. Ele olhava pela janela, vendo as luzes da cidade ficando cada vez mais distantes. Contou para nós que desde criança é apaixonado por física e astronomia. Além de que entre as coisas que mais gosta de fazer é viajar para lugares ermos, conhecer cidades pequenas e conversar com gente simples. Agora estava indo encontrar amigos para juntos fazerem uma expedição pela Amazônia e, sobretudo, ter tempo para conversar sobre a vida e seus verdadeiros valores.

Observando os livros que eu carregava no colo, então perguntaram o motivo da minha viagem. Contei a eles que sou escritora e estava indo encontrar meu companheiro para seguir com ele, de jipe, para uma cidade interiorana, onde criaremos um projeto que inclui sustentabilidade, literatura e arte, minhas grandes paixões.

FAÇA A JORNADA DE AUTODESENVOLVIMENTO

Concluímos, pouco antes de nos despedirmos, que a vida é mesmo uma viagem muito pessoal e, por vezes compartilhada, em que é fundamental descobrirmos o que nos move, o sentido de nossas escolhas e, sobretudo, o que nos faz feliz.

Faça a Jornada de Autodesenvolvimento

A Jornada do Autodesenvolvimento por Vida Simples, uma parceria entre Vida Simples e ESPM, irá oferece o melhor do conteúdo de Vida Simples em aulas feitas sob medida para o público de ESPM. A proposta é trabalhar, por meio de aulas inspiradoras, com profissionais igualmente inspiradores, habilidades emocionais (soft skills) para pessoas em diferentes fases de sua vida pessoal e profissional.

INSCREVA-SE


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 225, novembro de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Quando entendemos o que nos move, fica mais fácil atravessar períodos difíceis e realizar aquilo que se deseja verdadeiramente



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*