Onda que transforma

  • TEXTO Débora Zanelato
  • FOTOGRAFIA Chinnapong | iStock
  • DATA: 26/08/2019

O ThetaHealing nos ajuda a resolver questões que nos impedem de ser felizes

UMA ÚNICA SESSÃO. E aquela questão que tanto o aflige é resolvida. É o que oferece a técnica de cura energética ThetaHealing, desenvolvida pela americana Vianna Stibal e difundida em 40 países. “Mas como é possível resolver uma angústia em apenas uma sessão?”, me perguntei, bastante cética, antes do encontro que teria com a terapeuta Marcelle Sampaio, no final do ano passado.

Onda ThetaHealing

Marcelle me recebeu e contou como a terapia atuava. “É uma técnica de cura energética através da onda cerebral theta, onde acessamos um nível subconsciente do paciente. Conseguimos encontrar programas, crenças limitantes e questões que estão bloqueando a abundância, a felicidade, a capacidade da pessoa de se sentir amada”, explicou.

“O paciente traz uma questão do presente. E a cura acontece em uma única sessão porque o ThetaHealing acessa esse outro nível de consciência, substituindo uma crença equivocada por algo verdadeiro. Tratamos uma questão por sessão e ele pode fazer quantas quiser. Ou também optar pelo curso onde aprende a se curar sozinho utilizando a técnica”, disse, afirmando que tudo acontecia sem nenhum tipo de hipnose e com o paciente acordado.

Cura

Refleti sobre o que me incomodava e contei o quão sugada eu me sentia por sempre estar disponível para os outros, atendendo à demanda dos familiares e amigos em detrimento das minhas. Marcelle se sentou na minha frente e pediu que eu encostasse meus dedos indicador e polegar de maneira firme. Ela passou a fazer diversas afirmações, sobre se sentir amado, sobre por que eu precisava agradar os outros e, assim, de uma forma suave e relaxante, eu sentia segurança em mudar minha atitude perante a questão que apresentei.

Enquanto Marcelle falava, era como se algo estivesse literalmente entrando na minha cabeça (de olhos fechados, cheguei a pensar que ela estava com a mão na minha testa, mas não!). Eu mantinha meus dedos firmes enquanto ela exercia uma pressão para abri-los. “É um jeito de perceber se você ainda acredita em certas crenças ou se o padrão já foi substituído”, disse. Nos dias seguintes, percebi que eu estava diferente. Entendi por que me colocava à disposição dos outros e me senti confiante para transformar isso para sempre. Tudo resolvido em, de fato, uma única sessão.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 233, julho de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*