Aprenda a respeitar seus limites

  • TEXTO Eduardo Alves
  • FOTOGRAFIA Fuu | Unsplash
  • DATA: 15/06/2021
Para ter uma vida profissional mais leve e produtiva é preciso estar atento a si mesmo, saber respeitar seu corpo, mente, emoções e o próprio tempo.
Não extrapolamos nosso limite e prejudicamos nossa saúde de um dia para o outro. É um processo mais lento. Era uma terça-feira normal, e uma grande amiga, a Flavia Sobral, que estava na cidade
por conta de reuniões de trabalho, vinha pousar em casa por uma noite. Primeiramente, lembro-me de, ao abrir a porta, ver em seus olhos a agitação pelas responsabilidades como empresária, a preocupação com os filhos. Sobretudo, o mais novo, que dormiria longe da mãe pela primeira vez.  E, claro, seu marido. Simultaneamente, ela ainda tinha as resoluções de uma casa em obra… A sensação de precisar dar conta de tudo era nítida. Depois de instalada, abrimos um vinho e sentamos no sofá. Como num resgate, voltamos aos nossos vinte e poucos anos e falamos da vida sem grandes preocupações.
Finalmente, relaxamos sem nos culparmos pelas mensagens que surgiam no celular e que iriam esperar a gente viver aquele momento. Nossos corpos e mentes pediam por aquela pausa, por um respiro. O estresse demasiado e contínuo, principalmente quando possui relação com o trabalho, leva a uma exaustão emocional, mental e física, conhecida como Síndrome de Burnout. Segundo pesquisas realizadas pela ISMA-BR (International Stress Management Association no Brasil), 72% dos profissionais brasileiros sofrem algum nível de estresse. Desses, 32% chegam a desenvolver burnout.

Conhecer limites

Ana Maria Rossi, presidente da instituição, conversou conosco para esta matéria e comentou que a síndrome pode afetar qualquer um, independentemente de idade, sexo ou atividade profissional. De acordo com ela, As pessoas infelizmente não conhecem seus limites. “Quando se aproximam dele, pedem mais e mais de si mesmas e não reparam nos sintomas que surgem ao ultrapassá-los. Seguem praticando abusos contra si, até que se sentem, literalmente, sem saída”.
respeitar seus limites

Crédito: Christian Erfurt | Unsplash

Ana compartilha ainda que o burnout surge sempre conectado a algumas sensações e situações no trabalho. Por exemplo, excesso de tarefas, pouca autonomia, recompensa insuficiente, senso de injustiça, conflito de valores e falta de respeito pelo próprio trabalho. “Lidar com isso depende muito da estrutura emocional de cada um na vida e, também, naquele momento em especial. Pessoas diferentes na mesma situação podem apresentar ou não um quadro de exaustão profunda”. O que vamos contar a seguir são histórias sobre como lidar com uma sobrecarga de estresse passa por compreender e respeitar nossos limites. Já é um bom ponto de partida aceitar que não existe qualquer problema em não estar bem e não nos sentir culpados por isso.

Dê tempo ao (nosso) tempo

Segundo Elon Musk, “Ninguém já mudou o mundo numa semana de 40 horas”. O presidente-executivo da montadora de carros elétricos Tesla, Elon Musk, em sua conta no Twitter completa que , muito provavelmente, nem com o dobro desse tempo. Nesse caminho, nascem projetos que propõem a reflexão sobre como viver, com prazer, uma melhor relação com o tempo interno de cada um. Nesse sentido, o Desacelera SP é um exemplo. Ele tem o objetivo de disseminar a cultura do conhecer e respeitar os nossos ritmos.
Sobretudo, agir com atenção plena ao que se está fazendo, com afetividade e consciência temporal. E foi no evento “Um Dia Sem Pressa”, do Desacelera SP, que tive contato pela primeira vez com a história recente da jornalista Izabella Camargo. Ali, ela expôs, como disse mais tarde em uma rede social, o que é viver de excesso de presente, o que é descobrir-se com a Síndrome de Burnout.
“Eu tenho uma amiga que teve e não reconheci em mim os sintomas. E por quê? Porque vamos tratando tudo como caixinhas isoladas e não paramos para ouvir os sinais. Bem como, não tomar consciência do que está acontecendo conosco como um todo. Não reparamos em nós mesmos”, contou. Muito engajada em lutar para reduzir casos como o seu, passou a falar abertamente de algo que lhe causou um quadro bastante delicado. “Extrapolei o meu limite. Costumo dizer que, quando a gente tenta colocar muita coisa dentro da mala, o zíper estoura. No caso do burnout, a síndrome faz você pensar no que anda fazendo com seus limites”, afirma.

Ouça a voz do coração

De acordo com ela, os sintomas para atingir essa exaustão não começam de um dia para o outro. Izabella comenta que, entre 2015 e 2016, começou a ter uma frequência de sono inferior ao que precisava. Em contrapartida, essa carência trouxe outros desequilíbrios, como irritação e má alimentação. Seu diagnóstico e afastamento chegaram revelando que seu tempo de trabalho era exagerado. Dessa forma, o trabalho nas madrugadas não combinava com o que seu corpo demandava. Com a voz firme de quem está se sentindo no rumo certo, disse: “meu maior aprendizado ao ultrapassar meus limites foi parar e olhar para dentro. E, depois de muito tempo, ter a sensação de voltar para casa e priorizar o cuidado comigo”.
Em seguida, conheci o Flávio Fogaça no trânsito. Ele hoje é motorista e atende clientes por meio de diferentes aplicativos de viagem. Chamou minha atenção sua natural curiosidade pelo outro. Sem forçar uma conversa, conduz calmamente o papo – e, claro, o carro. “Sempre gostei de ter contato com pessoas e poder aprender com elas, mesmo nesses momentos rápidos”, conta. Entretanto,  faz pouco tempo que ele começou a abraçar essa voz que vem de dentro do seu peito.
Flávio ingressou no mercado de trabalho aos 16 anos, como protético, na sua cidade natal, Tatuí (SP). De lá para cá, foram quase 20 anos dedicados ao ofício, que surgiu como uma oportunidade na adolescência para conquistar o primeiro emprego.
respeitar seus limites

Crédito: Christian Erfurt | Unsplash

Respeitar limites com ajuda médica

No entanto, nos últimos 5 anos,  ele viveu períodos angustiantes em que se viu em estado de extremo estresse por estar se sentindo desconectado do trabalho. “Mesmo achando a função importante e bonita, aquele mundo já não fazia mais sentido. Nesse sentido, ficou penoso ter que levantar cedo e atravessar a cidade”, diz. “Eu não vi mais porquê continuar fazendo aquilo”. Flávio contou com ajuda médica e psicológica para conseguir, no final de 2017, deixar a profissão de protético.

Em seguida, decidiu dedicar-se a um sonho: retomar a carreira de comissário de bordo. Finalmente, iria na direção do seu propósito: encontrar prazer na jornada profissional. Em 2008, quando nasceu seu primeiro filho, havia acabado de se formar. Entretanto, com a constituição da nova família, optou por manter-se na função que já lhe dava alguma estabilidade. Hoje, aos 36, seu desejo é poder conquistar uma vaga nos ares e levar sua simpatia  para dentro dos aviões.

Regras para respeitar

Essa é a regra número dois do livro 12 Regras Para a Vida, do Jordan B. Peterson (Alta Books). Ele, que já teve inúmeras profissões, hoje é considerado por seus alunos um dos professores que mudou suas vidas. De acordo com um trecho de seu livro, afirma que “cuidar de si mesmo da forma como cuidaria de alguém sob sua responsabilidade significa considerar o que seria realmente bom
para você”. Não se trata de ser o que quer ou o que acredita que o faria feliz. Mais do que isso,  “é considerar o futuro e pensar: como a minha vida seria se eu estivesse cuidando de mim adequadamente?
Qual carreira me desafiaria e me tornaria produtivo e prestativo. Acima de tudo, de modo que eu pudesse carregar meu fardo e aproveitar as consequências? O que eu deveria fazer, quando tenho uma certa liberdade, para melhorar minha saúde, expandir meu conhecimento e fortalecer meu corpo?”.

De acordo com a personagem que ilustra a abertura desta reportagem, a Flavia. Empresária, casada e mãe do Rafael e do Guilherme, de um e três anos. Pouco tempo depois daquele encontro, que começou a ser sucedido por outros, confidenciou-me estar vivendo a Síndrome de Burnout. Segundo ela, foi importante aquele momento para ver o quanto sua vida precisaria ganhar a mesma importância que ela dava para outras coisas. “Quando o Gui nasceu, as coisas aconteceram de forma diferente e eu me senti muito estressada. Acima de tudo, estava preocupada com a empresa, que estava num momento delicado.

Cuide de si mesmo

Por outro lado, eu precisava cuidar da casa, do meu outro filho, que estava no período de férias. Simultaneamente,  isso casou com um momento em que meu marido precisava também passar mais tempo fora”, diz. Além de apoio médico, começar a conviver mais com amigos a fez lembrar quem ela era. “Foi nesse resgate que decidi sair de um ciclo, que era o de dar conta de tudo. De acordo com ela, foram seis meses angustiantes, mas que me levaram para um lugar novo e desconhecido, que me mostraram que eu posso ser quem eu era antes, mesmo sendo uma executiva, mãe e mulher.” É preciso ter clareza de para onde está indo.

Conhecer limites

Com isso, conhecer seus limites e até onde o caos pode entrar, de forma saudável, em sua vida. Acima de tudo,  é saber botar ordem e trazer a fé em si mesmo para o mundo. A Ana, da ISMA-BR, dá uma dica importante para quem está lidando com uma pessoa nessa condição: “ofereça um par de orelhas. Ouça, não interrompa ou julgue e evite dizer para que se acalme. Estar num quadro de exaustão profunda não é uma situação confortável”. E finaliza: “sugira que a pessoa olhe para si, que pense no autocuidado e no estilo de vida que está levando. Utilize perguntas ao invés de respostas para que ela elabore as informações”.

EDUARDO ALVES, escrevendo esta matéria, descobriu-se com um bom par de orelhas e um confortável ombro amigo.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 236, outubro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*