Os quatro compromissos para uma vida mais leve

  • TEXTO Renata Freitas de Camargo
  • FOTOGRAFIA Havilah Galaxy | Unsplash
  • DATA: 01/03/2019

Seja impecável com sua palavra, não leve nada para o lado pessoal, não tire conclusões e dê sempre (sempre mesmo) o melhor de si

Anos atrás, a empresa onde eu trabalhava estava dominada pelo fantasma da demissão. Lembro de uma vez, enquanto caminhava para minha mesa, ter cruzado com meu diretor. Dei um “bom dia” e ele retornou. Mas sabe quando o “bom dia” soa estranho? Pois é, no mesmo instante me veio a certeza de que eu tinha feito alguma coisa errada (mesmo apesar de não ter ideia do que pudesse ser).

Tiveram outras situações assim: o professor da pós que virou a cara, uma frase da amiga que pareceu uma indireta e o olhar estranho do colega. Em cada ocasião, eu estava 100% certa de que o comportamento era dirigido a mim. Ou eu tinha feito algo errado, ou minha presença não era bem-vinda, ou sabe-se lá o quê.

Ao escrever essas poucas linhas e relê-las, eu percebo o quão egocêntrico isso soa. É como se, sem me dar conta, em cada um dos acontecimentos o mundo girasse ao redor do meu umbigo. Uma vez li uma placa dizendo “em terra de egos, quem vê o outro é rei” (é o tal do “ego que nos torna cegos”). Acho que eu só percebi como a frase é poderosa quando eu realmente me dei conta de que eu estava levando uma vida interpretando a minha realidade sob a minha ótica (sob o meu poderoso EU).

Tentando quebrar essa minha noção de superioridade eu me deparei com os Quatro Compromissos Toltecas. Esses quatro compromissos – os quais podem ser chamados de acordos – estão no livro do autor mexicano Don Miguel Ruiz (a obra se chama Os Quatro Compromissos – O livro da Filosofia Tolteca).

As ideias compartilhadas por Ruiz são insights extraídos dos Toltecas, uma civilização precedente dos Astecas. Apesar de estarmos falando de um México de séculos atrás, os quatro compromissos se assemelham a conceitos amplamente discutidos atualmente.

1º compromisso: Seja impecável com sua palavra

Ruiz explica que ser impecável com a palavra é fazer a palavra trabalhar para nós. Quem planta alface não colhe cenoura, assim como quem se manifesta de maneira tóxica, não conseguirá sair de um ciclo de pessimismo e de resultados negativos. A ideia tem tudo a ver com o que diz a física quântica sobre nossa consciência ser a criadora da nossa realidade.

2º compromisso: Não leve nada para o lado pessoal

Este acordo trabalha com a ideia de espelho. Quando alguém fala que você é incompetente, por exemplo, a frase diz muito mais sobre o outro do que sobre você. Seria como se o outro estivesse projetando suas frustrações, seus medos, traumas e angústias para o exterior. Ao fazer isso, o outro, inconscientemente passa a somente enxergar o que é inaceitável para ele. E se ele (o outro) faz isso, nós agimos da mesma maneira, fazendo projeções por meio de atitudes e palavras.

Sempre que levamos algo para o lado pessoal, de alguma maneira estamos aceitando a realidade criada. Então, se alguém me chama de incompetente e isso me atinge, seria como se eu aceitasse a incompetência em minha vida. Consegue enxergar como isso é poderoso?

3º compromisso: Não tire conclusões

Dos quatro acordos este mais aperta o meu calo. Basicamente, ele tem a ver com o fato de que quando não levamos os acontecimentos para o lado pessoal deixamos de criar veneno emocional e lixo tóxico em nossas mentes. O chefe não virou a cara porque eu fiz algo errado, mas sim porque ele estava ocupado em seus pensamentos e não me viu passar. Seria deixar o ego de lado e entender que um “bom dia” meio torto não tem a ver comigo.

Para Ruiz, aqui é importante sair do campo da imaginação. Ao invés de tirarmos conclusões, ficarmos no campo das suposições e, o que é pior, acharmos estar certos sobre a realidade, devemos perguntar ao outro. Uma regra muito boa que se aplica aqui – e que eu ouvi de uma amiga – é: “se você acha que sabe, ou supõe algo porque ouviu falar, então, a verdade é que você não sabe”. E se você não sabe, para que perder tempo supondo ou imaginando?

4º compromisso: Dê sempre o melhor de si

Este compromisso depende dos outros três. Seja qual for a circunstância devemos dar sempre o nosso melhor. O “melhor” depende do nosso estado de espírito, de como enxergamos a nós mesmos e de como vemos a nossa realidade. Dar o nosso melhor é fazermos o nosso máximo sempre, entendendo que o “melhor” evolui à medida que vamos evoluindo internamente e nos tornando mais leves para a vida.

O que vem depois disso?

Comentei que o terceiro compromisso é o mais difícil para mim. Para ser bem sincera, nem sempre eu consigo parar minha cabeça de fazer suposições. Mas dia após dia eu lembro a mim mesma que o outro passa por batalhas e lutas internas tanto quanto eu, e que o outro tem o direito de agir como quiser. Como disse Chico Xavier: “aos outros dou o direito de ser como são. A mim, dou o dever de ser cada vez melhor”.

Então, para criarmos uma rede na qual um ajuda o outro, que tal eu e você firmarmos agora um acordo? Eu, daqui, darei sempre o meu melhor – entendendo que o outro tem limitações assim como eu, sendo igualmente livre para agir da maneira que quiser – e você fará o mesmo de onde estiver. Como acredito que realmente criamos a nossa realidade, agindo assim conseguiremos, enfim, projetar no outro somente a beleza que existe dentro de cada um de nós (e o outro projetará em nós a beleza dele). No final do dia, o mundo com toda certeza ficará muito mais leve para mim e para você.

Renata Freitas de Camargo, jornalista, viajante e observadora do mundo de dentro e de fora.

 

 

COMENTÁRIOS

  • Paulo Cruz

    Excelente texto, demostra bem o nosso cotidiano que as vezes é regido pelas primeiras impressões, ou por vezes não nos colocamos no lugar desta ou daquela Pessoa e simplesmente julgamos pelo momento e já levamos pelo lado pessoal,da Renata um ser de luz que tive o prazer de conhecer e admirar.
    PC

    Responder
  • Tereza

    Que lindo Re !! Fico feliz pelo seu amadurecimento!!

    Responder
  • Scheila

    Perfeita sua colocação Renata. Parabéns!

    Responder
  • Francine Bahiense

    Que orgulho tenho dessa minha irmã! Te amo! ❤️

    Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

    Campos obrigatórios*


    VEJA TAMBÉM