Ameaça Desconhecida

  • 35
  • 0

Para mim é fácil agir por instinto, orientar-me pelos sentidos. Pulsa em mim a cultura latina. Já o método, traço forte das culturas germânicas, é um de meus desafios. Reconheço, entretanto, o mérito dos protocolos e da lógica organizada, que marcam as sociedades dominantes. Percebo a importância do pensamento cartesiano na cultura que nos circunda.

Minha jornada pelo mar me oferece uma troca constante de culturas. A mitologia da sociedade ocidental de consumo permeia quase todas as comunidades, tradicionais ou urbanas. O mito de que a natureza está aqui para nos servir infiltra-se por aí.

Minha rotina nômade não tem a organização do antropólogo, mas leva o olhar do escritor em busca de personagens e enredos. Insisto, aqui, em como me espanta a força do mito único esparramado pelo planeta. Um pouco como a nanopartícula da inteligência artificial que tudo transforma no filme Transcendence, estrelado por Johnny Depp. O mito de que estamos em guerra contra o planeta, de que nossa sobrevivência depende do conflito, expande sem que se perceba.

A sutileza do mito, como pano de fundo, ao invés de reduzir sua força, de fato o impulsiona. Um inimigo desconhecido e invisível é invencível. Olha só, aí vou eu, também na lógica do conflito, ainda por cima a citar Hollywood. É inevitável, nossa cultura cada vez mais massificada é o único meio de expressão que temos. Ou a reconhecemos e identificamos ou jamais seremos capazes de alterá-la.

Ao zarpar da Nova Zelândia, deixamos a cultura Maori, parte da grande cultura polinésia e seus navegadores, que tanto admiro. Foi ao partir da terra Maori, último rincão do planeta a ser ocupado, que aprendi que o futuro não está à nossa frente, mas atrás de nós, pois não podemos vê-lo. Essa cultura tradicional ensina que diante de nós está o passado, as lições e exemplos transmitidos por nossos ancestrais. Bem como a história com seus diversos pontos de vista.

Eles percebem com clareza que a escolha de onde começa e termina uma história é uma opinião. Sabem que a simples escolha de que histórias contar forja uma cultura. Essa lógica inversa à nossa, em que a palavra impressa ou televisionada espelha a verdade para as massas, instiga o olhar atento ao que foi. Também descarta a ansiedade com o futuro insondável que costuma nos assombrar.

Na esteira do nosso casco fica o ponto de vista polinésio, à frente a promessa da cultura de Fiji, com seu tempero indiano. O nômade em mim se fortalece a cada descoberta.

Lucas Tauil de Freitas é casado com Sandra Chemin e pai de Júlia e Clara.  A família vive no veleiro Santa Paz .


VEJA TAMBÉM



TAMBÉM QUERO COMENTAR

Campos obrigatórios*