O entendimento do outro: desafio da tolerância

  • TEXTO Gustavo Tanaka
  • DATA: 03/04/2021

Existem pontos de vista diferentes, mas, com o entendimento do outro, um caminho de paz pode acontecer.  

Alguns dias atrás, flagrei meus pensamentos alimentando um julgamento pesado. Eu vi uma notícia que falava de um grupo religioso e minha mente automaticamente disparou certezas contra esse grupo. Mas aí veio a pergunta da consciência: “Você conhece algo a respeito deles? Já foi a algum culto?” Na hora, senti o baque de quem se confronta com uma verdade não muito agradável. Nunca tinha ido. E nem pesquisado nada sobre eles. Sequer sabia da história do fundador. Todas as minhas certezas eram baseadas no que escutei de outras pessoas e do que já vi na TV. Convicções baseadas nos relatos de quem eu nem sabia quem eram. Se bobear, elas mesmas nunca foram atrás de conhecer mais.

Uma virtude

O processo de tomada de consciência é muito lindo. Quando percebo algo em mim que não está no alinhamento com a minha essência mais pura, consigo notar os efeitos desse comportamento. Percebi que o mesmo julgamento se aplicava a diferentes religiões, a quem tinha um estilo de vida distinto do meu, uma visão política e ideológica não alinhada à minha. Então uma virtude saltou de dentro, como uma palavra que escapa sem querer: tolerância. Entendi que precisava aprender sobre essa qualidade. Comecei a seguir pessoas diferentes nas redes sociais. Líderes religiosos e comunitários, celebridades que eu jamais acompanharia, políticos de partidos que eu costumo rejeitar. O exercício era conhecer mais. Saber como pensam. Por que vivem como vivem e por que acreditam no que acreditam.

entendimento do outro

Tolerância

De início, senti toda a resistência no meu corpo. Raiva, desprezo, repulsa. Vi a quantidade de julgamento que existe em mim. Por que é que a expressão de um ser humano me incomoda tanto? Foi tentando responder a essa pergunta que compreendi a nobre virtude da tolerância. Do lado de cá, eu tenho certeza de que eu estou certo e o outro está errado. Mas, do lado de lá, essa pessoa pode estar pensando exatamente a mesma coisa que eu. E essa é a natureza do conflito. A tolerância não é deixar o intolerante fazer o que quiser. Isso poderia abrir espaço para aceitar comportamentos que ferem os direitos humanos, a vida. Tolerância é aceitar que existem perspectivas diferentes, e a partir disso encontrar pontos que nos unem. É somente na empatia e no entendimento do outro que um caminho de paz pode acontecer.


 


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 232, junho de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*