Manguinhos, meu amor!

  • TEXTO Araína Fantinato
  • DATA: 17/02/2021

Localizado a 20 km ao norte de Vitória, o pequeno balneário é famoso pelo clima bucólico e nostálgico de suas ruas de terra batida e pela natureza exuberante

Estive em Manguinhos, balneário que fica no município de Serra, região metropolitana de Vitória, em janeiro de 2021 e foi amor à primeira vista. O pequeno bairro fica a apenas 20 minutos de carro da capital capixaba e logo de cara, me senti em casa. Gostei muito do clima, as praias são lindas e convidam ao banho de mar, a hospitalidade e a excelente culinária foram o convite perfeito para o meu retorno em breve

O lugar é mágico, sem prédios na orla, sem cimento no calçadão e sem asfalto nas ruas. Em Manguinhos prevalece o clima nostálgico e calmo das ruas de terra batida que fazem a gente esquecer do caos da metrópole.

E apesar da calma aparente, o balneário, que é meio desconhecido pelos turistas de fora do Espírito Santo, é bastante frequentado pelos capixabas e, na alta temporada, ficando lotado nos fins de semana.

Manguinhos
« 2 de 17 »

E isso é totalmente justificável, já que os quase 4 quilômetros de faixa litorânea de Manguinhos são muito bonitos.

ONDE FICAR?

Fiquei hospedada na casa dos pais da minha amiga, mas existem muitas opções de hospedagem por lá. Eu indico o Quintal do Contêiner, que fica a poucos metros da praia e é um lugar muito aconchegante e bonito, em meio à natureza. A proprietária, Francesca Campagnaro, é preocupada com a preservação do local e cuida não apenas do seu “quintal”, mas também da limpeza e conservação dos arredores.

O Quintal do Contêiner também é uma ótima alternativa para se comer e beber bem e nos fins de semana tem música ao vivo e dois foodtrucks. E eles são bem rigorosos com as normas de segurança: o local é todo aberto, as mesas ficam distantes umas das outras e para entrar é obrigatório o uso de máscaras e higienizar as mãos com álcool em gel.

ONDE CURTIR?

Das três praias de Manguinhos, eu frequentei na que é conhecida como Ponta dos Fachos. É uma praia rústica, com mar tranquilo, ambiente familiar e você consegue alugar cadeiras e guarda sol na barraca do Paulo Henrique.

Para quem gosta de estar no mar uma opção é a escolinha de surf e para os que preferem ficar na areia, o visual com o mar lindo em diferentes tons de verde e o colorido das velas de windsurf são um convite à contemplação.

Caminhar no início da manhã ou no fim da tarde também é uma ótima pedida, com uma caminhada leve é possível chegar até o balneário vizinho, chamado Bicanga e tomar água de coco embaixo da sombra das amendoeiras.

De noite, eu indico ir até a vila dos pescadores, que é o centro do balneário e onde fica o comércio local.

O QUE COMER?

Eu tive a honra de experimentar e aprender a preparar a legítima moqueca capixaba feita pela chef Celina Garcia. A moqueca capixaba é um prato tradicional do Espírito Santo, então não deixe de provar.

Outra delícia é o peroá frito, um peixe popular da região servido com batata frita, camarão e banana da terra.

O QUE VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE FAZER/CONHECER

Não deixe de caminhar pelas ruas de Manguinhos. Com o astral de cidade do interior, você vai se deparar com a fauna exuberante bem na sua frente: pica-paus, esquilos e saguis que não se sentem intimidados e passeiam tranquilamente pelos galhos das árvores.

Se você tiver tempo para passear em Vitória vá a praia de Camburi, esse é um ótimo passeio pela orla com restaurantes e um visual incrível, e para ter uma vista das alturas indico o Convento da Penha, localizado em Vila Velha.

O Convento foi fundado em 1558 pelo Frei Pedro Palácios e encontra-se cravado a 154 metros de altitude e a 500 metros do mar. Cercado pela mata atlântica, é com certeza uma vista de tirar o fôlego. Dentro do Convento é possível observar a arquitetura da época preservada e o espaço mais expressivo é o da igreja com sua belíssima Capela-Mor.


Araína Fantinato é administradora e instrutora de Yoga. Nasceu e mora em Curitiba, PR.

@arainafantinato

@quintaldoconteiner


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 228, fevereiro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*