Caminhar pelo desconhecido

  • TEXTO Mauro Calliari
  • FOTOGRAFIA Anthony Delanoix | Unsplash
  • DATA: 11/06/2019

Andar a pé proporciona uma vivência surpreendente e linda, independentemente da cidade onde se esteja

Talvez a cidade seja Londres. Você sai do hotel e anda vagarosamente até encontrar um pub aconchegante, com cheiro forte de madeira, fumaça e gim. Em meio a engravatados e torcedores de um time com uniforme vermelho e branco, você vê uma única pessoa sozinha. Encostada no balcão, ela olha para você com olhos calmos e confiantes, como se estivesse ali apenas esperando sua chegada. Você se aproxima com dois copos de Guinness na mão. A noite termina numa praça enevoada.

Talvez a cidade seja o Rio de Janeiro. Na noite quente e úmida, você se vê no bairro da Lapa, bem embaixo de seus famosos arcos. As pessoas se olham. O contato é fácil. Sem pensar muito, você aceita um convite de um desconhecido qualquer para dançar. A chuva vem forte, a luz acaba de repente e você passa a madrugada à luz de uma vela machadiana que deixa entrever apenas o brilho dos olhos castanhos.

Talvez a cidade seja Cusco, no Peru. A rua está cheia, as pessoas falam as línguas de todos os países e riem bem alto. Você se afasta da praça de Armas em busca de um pouco de silêncio, seus passos tomam posse das ruas vazias e silenciosas, e você nota, com espanto, que por baixo dos prédios coloniais espanhóis há pedras das construções incas. Você senta no banco e parece ouvir gritos de guerra, de morte e também de conquista.

Talvez a cidade seja Milão, na Itália. Você sai do restaurante depois de um risoto diáfano e um vinho denso. Na noite gelada, em meio à névoa bastante espessa, surge a magnífica catedral. A pequena estátua da Madonina parece flutuar naquela neblina. Você se prostra ali e chora um choro que estava guardado havia anos e nem sabia que existia, tão escondido que estava.

Talvez a cidade seja a caótica São Paulo. Você desce a rua Augusta a pé, em direção ao centro, mistura-se à multidão estacionada na grande praça acinzentada. Você ouve a voz bonita da menina com violão, desvia de um skate e decide entrar num teatro com um nome sugestivo – Satyros. Você se entrega à peça sem imaginar que essa noite vai mudar sua vida para sempre.

 

Mauro Calliari  é autor do blog Caminhadas Urbanas, gosta de caminhar pela cidade e acredita que andar é a experiência mais essencial de cidadania


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 210, agosto de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Acolha sua tristeza: Dias nublados e sentimentos dolorosos também nos aproximam de nós mesmos e da verdadeira felicidade


COMENTÁRIOS

  • Marcela

    Esse texto me lembrou também do desafio e coragem que é estar só em meio às multidões, e ao mesmo tempo é rico e surpreendente o que nos espera.

    Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

     

    Campos obrigatórios*