Uma dose diária de otimismo

  • Ana Paula Puga

Imagine que você chega ao consultório do seu médico com sintomas de ansiedade e quando olha a receita que ele te passou, no lugar de remédios ele prescreve:

– Otimismo: 1 dose por dia, até desaparecerem os sintomas.

Isso não está longe de acontecer.

Claro que em alguns casos a intervenção pode incluir outros procedimentos, mas estamos falando de descobertas recentes no campo da medicina, da psicologia e das neurociências sobre a eficácia da prática do otimismo como melhora no bem estar mental e físico do ser humano. Sim, problemas físicos desencadeados (ou não) por questões emocionais podem ser evitadas e até curadas quando se escolhe ser otimista! Estamos falando, por exemplo, de ansiedade, depressão, transtornos de estresse pós-traumático. E tudo isso altera sua pressão arterial, seus níveis de açúcar no sangue, a qualidade de seu sono, sua libido, sua imunidade, sua a produtividade, sua atenção concentrada, sua criatividade, seu humor, suas relações interpessoais…

O que é, então, o otimismo?

Primeiro o que não é otimismo: não é negar a realidade com seus problemas, dificuldades, adversidades, conflitos, frustrações, decepções, desencontros, fracassos. Também não é ser Pollyanna!

Otimismo tem a ver com o Estilo Explicativo de cada evento e situação diária de sua vida!

Uma característica importante dos otimistas é que estes têm a crença de que estão no controle de suas vidas, ou têm algum controle sobre as situações, e que suas ações podem influenciar os resultados.

São mais motivados para alcançar esses resultados, pois enxergam a oportunidade de influenciá-los (os resultados, no caso).

O otimista experimenta e apresenta senso de controle; senso de auto eficácia; autoconfiança e autoconceito elevados (baseados nos seus resultados reais); capacidade de tomada de decisão; senso de responsabilidade; alta realização; alta produtividade; persistência; sentimento de satisfação.

Veja o quadro a seguir e entenda melhor a diferença entre o Otimista e o Pessimista. Cada um demonstra um padrão diferente de pensamento e comportamento, cada um “vê” a mesma situação sob diferentes perspectivas, cada um em seu Estilo Explicativo sobre o mesmo evento. Exemplo: “Reprovação num Processo Seletivo”.

 

E a boa notícia? Dá para aprender a ser otimista! ESCOLHA pensar sobre um evento adverso como esta última coluna aí do quadro. Reconheça a situação, perceba que é possível ter uma perspectiva realista porém positiva dos fatos! Você está no comando. O controle da sua mente está em suas mãos! Faça trocas: troque a explicação pessimista pela OTIMISTA.

No começo pode parecer complicado. Mas o treino diário é transformador. É como ir à academia. Você quer fazer um músculo crescer, você não sabe quando isso vai acontecer, você vai treinando, se dedicando, focando, fazendo escolhas que cooperem para seu objetivo, e de repente… você vê o resultado! Com o otimismo não é diferente, adotando-o como o SEU Estilo de Vida, como o SEU Estilo Explicativo sobre os fatos, diariamente, ininterruptamente, eu não sei quando “sua chave irá virar”, eu não sei quando você irá experimentar de mais saúde física, emocional, social e espiritual, mas eu te afirmo: VOCÊ irá!

 

ANA PAULA PUGA (@ana_paula_puga) é psicóloga e otimista, e acredita que este jeito de olhar para a vida pode – e deve – ser aprendido

 

 


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 211, setembro de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Cultive sua coragem: Entenda como dar os próximos passos para finalmente realizar aquilo que seu coração deseja


COMENTÁRIOS

  • Ceci

    Muito bom Ana Paula!
    Também acredito na energia poderosa do otimismo e, se mais pessoas cultivarem esse pensamento/energia o mundo será um lugar melhor para todos.

    Responder
    • Ana Paula Puga

      Um hábito diário e natural na vida não é Ceci!? Obrigada 🙏🏼

      Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

     

    Campos obrigatórios*