Seu lar é quem você é

  • Clô Azevedo
  • FOTOGRAFIA: Bench Accounting | Unsplash

Se sentir em casa é saber que ali, no seu lar e lugar seguro, você pode vivenciar suas emoções e expressar sua verdade, livre para ser

 

“Em casa”.

Toda vez que essas duas pequenas palavras saem da minha boca, sempre me fazem refletir como este conceito permanece amplo nos dias atuais e pode ser compreendido de maneira bem distinta.

Você pode morar em uma casa linda com muitos ambientes decorados, cercados por uma bela varanda e um jardim cheio de árvores e apesar de tudo isso, ainda se sentir sozinho e infeliz.

Ou viver em um estúdio e a cada dia sentir um arrepio de prazer pensando na felicidade de morar em um ninho tão aconchegante, seu lar, mesmo sendo tão pequeno.

Eu posso seguir observando várias situações como essas, mas sinceramente não é só o tamanho dos ambientes ou a decoração, ou até mesmo o ótimo projeto de construção que foi desenvolvido que importam em se tratando de se sentir “em casa”. Todos nós queremos ter essa casa, que a meu ver, vai além do espaço físico. 

Entenda que a sensação de bem-estar não está na quantidade de  tijolos ou no número de metros quadrados, ou nas vigas de madeira rústicas e nem mesmo na vizinhança, e sim, conhecendo a nós mesmos, sabendo quem somos e o que viemos fazer aqui na Terra.

A sensação de se sentir no seu lar começa no próprio corpo. Não há nada de errado em se preocupar com a decoração e torná-la a mais confortável possível, porém o objetivo, mais cedo ou mais tarde, é que você saia em busca de sua verdadeira casa, no mundo interior dos sentimentos.

Em casa sempre será o lugar onde podemos fechar a porta atrás de nós mesmos, arrancar os sapatos e se jogar no sofá, ou até mesmo desejar ficar na cama o dia todo para recuperar as forças.

Um lugar tranquilo e seguro onde podemos ser quem realmente somos, relaxar e acalmar nossos sentimentos. Aqui não precisamos ser melhores, mais fortes, mais bonitos ou mais inteligentes.

Se você não se permitir sentir suas emoções não se  sentirá em casa em lugar nenhum. Só você sabe quem você é por dentro e como resultado disso, poderá moldar o seu espaço de vida à sua imagem, e os objetos familiares que também fazem parte desta história podem ajudar a trazer uma sensação de calor, de abraço, de aconchego e segurança, ao mesmo tempo em que vão se ressignificando como resultado dessa auto reflexão.

Sua casa, externa ou interna, pode ser muito pequena ou muito grande, muito confusa ou muito arrumada, não importa.

Em qualquer um dos casos, faça a si mesmo a seguinte pergunta: o que é novo em mim e apenas esperando para nascer, para me expressar com consciência, e poder revelá-lo na minha casa?

Uma mesa de madeira robusta pode falar de seu amor pelas refeições em comum, longas cortinas podem refletir sua necessidade de proteção, esse espaço luminoso, a sala de estar, corresponde aquela que você sente em sua alma, e essa bagunça alegre pode revelar sua criatividade.

Sua casa está em você, nas profundezas do seu centro, e o caminho que te leva a ela pode dizer muito sobre si. 

Em casa: é aqui que podemos ser de verdade.

 


Clô Azevedo é arquiteta e acredita que a casa é uma extensão das vidas que a habitam. Desenvolve projetos de design de interiores afetivos para conectar pessoas com suas histórias, inspirando a reinventar seu próprio espaço, morar bem e viver melhor. Seu site é designafetivo.com


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 212, outubro de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Nem tudo vai dar certo: É possível encontrar novos caminhos quando as coisas não saem como o planejado



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*