Repense suas escolhas (sempre!)

  • Giuliana Sesso
  • FOTOGRAFIA: Guus Baggermans (Unsplash

Fuja do cárcere dos hábitos e corra para a liberdade, já dizia Yoganada.

Nós temos a liberdade de mudar tudo, de mudar o mundo, de mudar a nossa vida. Mas para isso precisamos estar com o autoconhecimento em dia. Precisamos estar mais donos das nossas escolhas, precisamos estar presentes.

Estamos habituados a fazer as escolhas sempre do mesmo jeito, seja por acomodação e preguiça de fazer de um jeito novo, seja pela pressa e a loucura o do dia-a-dia, ou até por não darmos a real importância a cada uma delas. E quando damos algo por resolvido somos mais resistentes a mudanças, a experimentar algo novo. Tiramos aquilo do nosso radar. Damos um check no caderninho, como se diz.

Acertar o tom

Afinal, quanto tempo demoramos para encontrar o tom certo da maquiagem? Quantas bases cheinhas não foram parar naquela maletinha de make up que não usamos com tanta frequência (e que provavelmente nunca voltaremos a usar)? E a dificuldade que foi para acertar o tom certo do batom vermelho ou do esmalte nude? Só quem tentou sabe que aquele batom e aquele esmalte maravilhosos que vimos na amiga — na influencer, na celebridade ou na colega do trabalho — funciona para todo mundo. Mas realmente não combina com a sua pele.

E o jeans? Por essa saga todo mundo já passou, tenho certeza! É um que aperta e não é confortável. Outro que marca tudo. Outro que laceia depois do primeiro uso e nunca mais volta a ser como quando você experimentou. Tem aqueles que não privilegiam seu tipo físico. Os que são muito claros, os que são escuros demais. E quando finalmente encontramos a cor certa, percebemos que ele é…. igualzinho aos outros cinco que você já tem!

 

nossas escolhas

Cathryn Lavery (Unsplash)

Foi essa mesma luta para descobrir camisas com tecido fresco que não marcam embaixo do braço em dias de calor. Um milagre achar vestidos que não amarrotam com o cinto de segurança do carro ou do táxi e colaborem para chegarmos impecáveis na reunião para apresentar aquele projeto tão importante.

Levou muito tempo até achar um bom vendedor que faz boas recomendações sem ser desagradável e insistente, e que ainda te atende na velocidade que você precisa. Eu sei… Custou para acertar o produto de lavar roupa e ninguém em casa sair espirrando ou falando que o cheiro é muito forte. E que ainda tira as manchas de tinta dos uniformes das crianças!

Escolhas que viram hábitos

Todos esses itens e muitos outros receberam seu check mental em algum momento do passado. Eles foram entendidos como resolvidos e sua reposição virou hábito, entrou no automático. Tornar a escolha de uma marca ou produto um hábito é excelente para as empresas, mas não necessariamente para você, consumidor.

O tempo passou, você evoluiu, seu corpo mudou. Look amassado agora é cool. Suas necessidades já são outras. A tecnologia progrediu, você encontrou seu propósito, defende algumas bandeiras, tem novos hobbies.

O mercado já oferece mil novas possibilidades muito mais interessantes para você do que aqueles que você ainda carrega de antigamente. Talvez sejam produtos mais baratos ou que durem mais. Muitos já respeitam o meio ambiente (o que deveria ser obrigatório!) e quem está na cadeia de produção. Fazem bem para a sociedade, para o meio ambiente e para você.

Há muitas opções que valorizam você e a sua individualidade, que te oferecem conexão com o seu coração, com a sua infância, com aquela viagem inesquecível. Que mexem de verdade com os seus sentidos.

Repensar escolhas

Mas nós estamos de fato abertos a fazer novas análises e procurar opções que façam mais sentido para nós?? Conseguimos acreditar que vale a pena e que elas nos trarão mais satisfação e se conectarão com esse nosso “eu atual”? Ou permanecemos com o mesmo hábito de comprar sempre aquelas mesmas coisas porque elas já receberam o check mental?

Sem pensar e sem investir tempo nessas decisões, nossas escolhas deixam de nos representar e de fazer de fato sentido para nós. Digo nós, porque mesmo eu, que estou muito atenta a consumir com mais propósito e atenção, ainda tenho dificuldade de tirar algumas substituições do automático.

repensar escolhasJá consegui substituir muitos produtos e tenho muito orgulho disso, mas ainda tenho uma lista enorme para pesquisar novas opções, mais do bem. Mais do bem para mim, mais do bem para o planeta, mais do bem para a comunidade, como gosto de dizer.

Mas fico animada que essa listinha mudou de caderninho. Não está mais no do check mental. Está agora (e pode ser que por lá fique ainda por bastante tempo até que eu consiga boas soluções) no caderninho da “Liberdade de Transformação”.

Melhores escolhas

Vamos fugir dos hábitos que não evoluem junto conosco. Vamos buscar novos hábitos que podem ser incorporados à nossa vida por mais um período de tempo, até a próxima revisão. Mas que sejam hábitos mais sustentáveis, mais saudáveis e mais responsáveis.

Lá fora está cheio de objetos carregados de conforto existencial e emocional. Repletos de poder, de liberdade, de satisfação, de bem-estar. O mercado oferece ótimas novas opções de marcas memoráveis e que podem ter muito a ver com você e com a sua história. E, ainda, transformar nosso mundo num lugar muito melhor para todos.

Hábitos simplificam a nossa vida. Mas nossas escolhas é que dão sentido a ela!


GIULIANA SESSO acredita num caminho de consumo mais empático e positivo, para uma vida com mais sentido, uma sociedade mais justa e um planeta mais bonito.  @giuliana_sesso 


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 236, outubro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*