Os Estigmas da Menopausa

  • Kareemi

Precisamos falar sobre os estigmas e equívocos sociais a respeito da menopausa criados pela sociedade (moderna e patriarcal). Todas nós iremos vivenciar esse rito de passagem um dia – e que nada tem a ver com perder nossa beleza, força, sensualidade e conexão com as luas.

criancas

Muito pelo contrário…

Os saberes ancestrais e as medicinas orientais (as mais antigas do mundo) provam que a chegada desse rito deve ser celebrado! Afinal, a mulher já detém em si toda sabedoria e autoconhecimento cíclico dispensando assim a necessidade biológica de menstruar, ciclar.

Sim, nossos hormônios estão baixando, caindo e isso é natural, normal e esperado. Faz parte da vida, dos ciclos naturais do nosso corpo – não deveria ser nenhum “bicho de sete cabeças” para ninguém.

Nas sociedades matrifocais de antes de cristo, quem liderava as tribos e aldeias eram sempre as anciãs – por serem as mais sábias e portanto respeitadas por todos. Nenhum mulher antes da menopausa poderia ocupar esse lugar de liderança.

Preparar-se para a menopausa requer antes de tudo, esse entendimento para frear possíveis desconfortos psicossomáticos. Orientações nutricionais/alimentares, exercícios físicos (no seu ritmo, porém regrados) são base para viver essa fase com leveza evitando sintomas. Reposição hormonal? Escolha a opção saudável e que realmente vai fazer bem ao seu organismo: através dos alimentos adequados para esta fase (busque um nutricionista especialista em hormônios naturais).

O patriarcado jogou na lama tudo o que nos dá poder, liberdade, autoestima. Colocar a menopausa como algo “ruim”, é lucrativo. Observe.

Ao invés de termos uma cultura onde a queda dos nossos hormônios nessa fase é natural e pode ser tratada através de recursos naturais também, nos vendem hormônios sintéticos e tratamentos artificiais com a promessa de mantermos uma juventude valorizada pelo sistema e que nos desconecta da verdade sobre tudo isso.

Está na hora de quebrarmos esses estigmas.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 243, maio de 2022 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*