O homem e a relação com o dinheiro 

  • Brotherhood
  • FOTOGRAFIA: Vergani Fotografia | IStock

Uma das crenças mais fortes que existem no universo masculino é a de que o homem deve ser bem-sucedido (ganhar dinheiro) e ser o provedor da casa. Como lidar com essa pressão?

Dinheiro é um dos temas mais desafiadores para todos os seres humanos. Algumas pessoas já sentem sensações estranhas no corpo só de escutar essa palavra. Vivemos num país de extrema desigualdade e com milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade financeira ao mesmo tempo em que algumas possuem bilhões. A promessa de enriquecimento e fórmulas para o sucesso e de como ficar rico atraem muitas pessoas. Entretanto, a verdade é que poucas pessoas estão dispostas a conversar sobre este assunto abertamente. E isso não é diferente com os homens. Quero aprofundar um pouco nessa relação do homem com o dinheiro.

O homem provedor

Uma das crenças mais fortes que existem no universo masculino é a de que o homem deve ser o provedor da casa. Vivemos numa sociedade patriarcal, onde geralmente o pai é visto como “o chefe da família” e o responsável pela sustentação financeira da casa. Como já falamos anteriormente nesta coluna, a relação com o pai influencia diretamente os homens. Se crescemos vendo nossos pais cumprindo esse papel, tendemos a pensar que temos que fazer igual. O homem provedor, protetor e procriador é um dos principais arquétipos difundidos na sociedade.

Isso naturalmente, coloca sobre os homens uma pressão grande de ser bem sucedido financeiramente. O homem acredita que precisa ganhar um bom dinheiro e sustentar uma família completa. Caso contrário, estará falhando como homem, ou não sendo homem suficiente.

homem dinheiro

Crédito: Ben Rosett | Unsplash

Dificuldade de pedir ajuda

Outra crença muito forte entre os homens é a de que o homem precisa dar conta e não pode pedir ajuda. Muitos homens acreditam que se pedirem ajuda, estão sendo menos homens, menos viris. Agora imaginem um homem em situação de dificuldade financeira. Na sua batalha interna, nos seus devaneios e pensamentos, o homem com problemas com dinheiro está falhando por não conseguir ser o provedor.

Entretanto, ele não consegue falar sobre isso porque não pode pedir ajuda. Então ele vai se afundando num loop infinito de pensamentos que levam a sentir sensações extremamente desagradáveis, frustrações, ansiedade e medo. Agora some a isso a dificuldade do homem de compreender suas emoções e de conversar sobre isso com os amigos. Temos aí um problema gigante.

Quando a mulher ganha mais do que o homem

Outro ponto que costuma se tornar um desafio ao homem acontece quando ele se relaciona com uma mulher que ganha mais que ele. Na cabeça do homem que segue os padrões impostos pela sociedade, o homem deve ganhar mais dinheiro que a mulher, já que ele é quem deve ser o provedor. Se a mulher se destaca profissionalmente e começa a ganhar mais que o homem. Essa situação pode, muitas vezes, se tornar gatilho de inseguranças do homem e criar uma relação de competição entre o casal. Muitos relacionamentos terminam porque homens não conseguem se ver nessa situação de “inferioridade”.

Conversas abertas sobre a relação com o dinheiro

Como temos falado aqui, um círculo de homens é um espaço de conversas com temas diferentes do que acontecem numa mesa de bar entre amigos. Nessa mesa,  a competição é substituída pelo acolhimento e pela vulnerabilidade. Algumas das experiências mais ricas e transformadoras que vivi nestes círculos foi poder falar abertamente sobre dinheiro.

Dessa forma, tem um poder enorme de cura poder expor os meus medos, meus desafios, meus fracassos, contar sobre as dívidas que contraí, dizer sem medo de ser julgado sobre minha relação bagunçada com o dinheiro e escutar histórias dos outros homens.

Até então, minhas conversas sobre dinheiro com meus amigos, nos poucos grupos em que aconteciam, eram veladas, onde alguns falavam sobre investimentos e aqueles que não investiam ficavam em silêncio ou tentavam mudar o foco da conversa.

dinheiro

Crédito: Michael Longmire | Unsplash

Falar de dinheiro

Quantas vezes você testemunhou homens conversando sobre suas crenças e dificuldades em cuidar bem do dinheiro? Precisamos ter consciência de que faz parte da vida de milhões de pessoas ter dificuldades financeiras. E que a maioria da nós não foi instruída nessa área e que sucesso é um valor definido individualmente. Todas essas situações são um pouco diferentes do que o modelo de masculinidade tradicional prega.

Lembro que pude contar para um grupo de 20 homens que não conseguia guardar dinheiro. Tinha muita vergonha disso e naquele dia tirei um peso enorme das minhas costas, e que coincidentemente, ou não, me ajudou a melhorar muito minha saúde financeira. Naquele mesmo dia, estavam presentes dois consultores financeiros. Na partilha final, ao término do encontro, eles disseram que mesmo sendo especialistas em finanças e tendo ajudado muitas pessoas com este tema, nunca haviam estado numa conversa como aquela. De acordo com eles, após a conversa,  saíam com insights e aprendizados que mudavam a forma como enxergavam o dinheiro.

Masculinidades e dinheiro

Por fim, eu acredito que a relação do homem com o dinheiro é um dos temas chave para desconstrução de crenças machistas e de uma mudança cultural de masculinidades. Uma conversa aberta sobre este tema, abre espaço para a vulnerabilidade num lugar muito profundo, às vezes visceral e desperta uma compaixão num nível mais elevado também.

E assim, aos poucos, dissolvemos uma pequena parte dos muros que separam os homens e que criam a competição entre eles.


GUSTAVO TANAKA, escritor e fundador do Brotherhood. Escreve mensalmente numa coluna da Revista Vida Simples e compartilha histórias de masculinidade quinzenalmente nesta coluna, junto com os amigos de caminhada nesses estudos sobre masculinidades. @gutanaka @brotherhoodbrasil

*Os textos de nossos colunistas são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião de Vida Simples.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 236, outubro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*