Menino, não misture as massinhas

  • Ana Paula Puga

Dê permissão à sua criatividade assumindo uma postura de autorreflexão e auto questionamento sobre o motivo das regras

 

Aposto que você que está lendo este texto, obviamente já foi criança, e ouviu essa ordem dada por alguém mais velho, seja sua mãe, avó, cuidadora ou professora: não misture a massinha! Sim, daquelas mesmo, as de modelar que toda criança ama! Eu que fui criança como você, recebia e praticava tal ordem com respeito. Lembro da minha mãe que dizia isso para mim e, principalmente, das professoras. As professoras com a seguinte frase: “guardem direitinho cada uma em seu potinho para não misturar, crianças.” E farei aqui um mea culpa porque, como mãe, já multipliquei essa regra em casa.

ASSINE A VIDA SIMPLES

Mas por que diabos não podemos misturar as benditas massinhas? Já repararam como fica bem mais legal quando misturamos as cores? Quando ficam mescladas ou quando novos tons surgem? E o toque pessoal, hein? Algo do tipo: “essa é a minha massinha, ninguém tem igual.”  Então, por que não misturar? “Porque não!” “Porque não, não é resposta.” Oras bolas, não é mesmo.

Misturem, sim, as massinhas

Quer saber, em nome da libertação da criatividade, e a partir do meu direito adquirido como mãe, psicóloga, coach e educadora parental, além de criança frustrada, eu proponho o movimento: M.A.M – Misturem As Massinhas!

É isso! Passamos a vida recebendo ordens e seguindo regras que, inocentemente, prejudicam nossa capacidade criativa, de ousadia e inovação. Essas regras colam em nós de tal forma que acabamos por nos tornarmos cegos e obedientes multiplicadores delas. Começamos a receber tais ordens e regras na casa de nossos pais, depois em nossas escolas, universidades, em nossas empresas e, por fim, em nossas próprias casas com nossos filhos.

Já percebeu a saia justa na qual ficam pais, educadores e cuidadores quando as crianças questionam regras?  O que elas pretendem não é demonstrar desobediência ou desrespeito, elas buscam um motivo. Bingo! É isso! Por que manter as massinhas como as recebemos? Branco com branco, verde com verde, azul claro com azul claro?

Dê permissão à sua criatividade. Primeiramente, assumindo uma postura de autorreflexão e auto questionamento sobre o motivo das regras. Tanto as que você está submetido quanto aquelas que têm multiplicado. Exponha com elegância e sutileza o resultado de sua reflexão e questionamento caso te levarem ao silêncio como resposta. Por fim, permita-se “misturar massinhas” em sua vida pessoal, em sua carreira, em sua vida profissional. Teste novas combinações, observe os resultados. Misture até ficar satisfeito com o que observar. Experimente. Enquanto eles não misturam, liberte-se dessas crenças, ouse você!

P.s.: Enquanto escrevia este texto, um par de olhinhos de uma pequenina de seis anos observava e lia em voz baixa “não misture as massinhas”. Então ela diz: “eu não misturo as massinhas, mamãe!” Então, com medo da resposta, pergunto: “por que, filha?” “Ah, porque não!” Engulo seco. Mas, encorajada pergunto: “é mais legal misturar ou não misturar?” “Misturar né, mamãe.”

Meninos, meninas, pequeninos ou crescidos, misturem as massinhas!

 

Ana Paula Puga é psicóloga, autora de dois livros, educadora parental, coach e conselheira positiva. Também é casada e mãe de três crianças. Seu Instagram é @ana_paula_puga


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 220, junho de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Gostar de si é a base do cuidado que podemos dedicar a nós mesmos e aos outros. Aprenda a amar e a admirar quem você é de verdade.



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*