Kombucha faz mal?

  • Matheus Macedo

Kombucha faz bem ou faz mal? Todo mundo deveria tomar kombucha ao longo da vida? Hoje eu vou te contar sobre essa bebida que passou a ser consumida por muitos brasileiros nos últimos anos.

Você já deve ter ouvido falar de kombucha (pronuncia-se kombutcha ou kombutchá), certo? A bebida fermentada tem ganhado cada vez mais adeptos no Brasil. A produção da kombucha no país aumentou 50% entre 2018 e 2019. Só em 2019 foram produzidos 900 mil litros, de acordo com a Associação Brasileira de Kombucha. Diante desse aumento expressivo de produção e consumo é natural surgirem dúvidas sobre os benefícios da kombucha. É muito comum que as pessoas que buscam um estilo de vida mais saudável se perguntem se kombucha faz mal.

No artigo de hoje eu vou esclarecer essas dúvidas e te contar qual é a perspectiva ayurvédica sobre kombucha.

O que é kombucha

Para começar, vamos entender o significado da palavra, que pode ser dividida em duas: konbu e ocha, ambas de origem japonesa. Konbu é uma alga marinha, também conhecida como kelp, e ocha significa chá. Portanto, pela origem da palavra, kombucha nada mais é do que um chá fermentado de kelp, que era feito tradicionalmente na China e Japão.

Contudo, o que se encontra nos mercados hoje em dia com o nome de kombucha, no Brasil e no mundo, não é mais aquele chá do passado feito especificamente da alga fermentada.

Dessa forma, a kombucha popularizada nos tempos atuais é basicamente o chá verde (Camellia sinensis), fermentado a partir de uma cultura de leveduras e bactérias. E digo basicamente, porque é muito comum se adicionar outros ingredientes a essa mistura, como o gengibre ou frutas vermelhas, por exemplo.

Em resumo, a kombucha de hoje não é mais uma bebida feita com um produto específico como antigamente. Essa é a primeira dificuldade que encontramos para afirmar se kombucha faz mal. Afinal, de que bebida estamos falando?

O que a medicina moderna fala sobre kombucha

Entretanto, os benefícios da kombucha para a saúde ainda não são muito conhecidos pela ciência. A maior parte das publicações científicas sobre kombucha é resultado de estudos de caso, sendo que a maioria deles aponta, na verdade, para os efeitos tóxicos da bebida.

Problemas hepáticos, intoxicação sistêmica e acidose metabólica são alguns dos perigos da kombucha já observados após o seu consumo. Segundo a pesquisa conduzida por Ernst e publicada em 2003 na Complementary Medicine Research, os benefícios indeterminados e não comprovados do consumo de kombucha não compensam o risco que a bebida oferece. Por isso, o pesquisador  não recomenda a kombucha para uso terapêutico.

kombuchaQual a visão do Ayurveda sobre a kombucha

Primeiramente, do ponto de vista ayurvédico, para entender os efeitos de qualquer substância sobre o corpo, incluindo a kombucha, a primeira propriedade que devemos considerar é o sabor. Em todo fermentado predomina o sabor azedo. Esse sabor, por si só, já é responsável por alguns efeitos específicos. Lembra da acidose metabólica apontada pela ciência moderna como um dos efeitos da kombucha? Pois então, pela perspectiva ayurvédica a relação entre o sabor azedo e a acidez não é novidade.

Ou seja, além do sabor, a forma como uma substância é processada também interfere nas suas propriedades. Sem falar, é claro, que a adição de outros ingredientes ao preparo também muda os efeitos produzidos pela substância resultante.

Por outro lado, a kombucha também mexe no equilíbrio dos doshasVata, Pitta e Kapha – lembra deles? Ela tem o potencial de diminuir o Vata, devido ao sabor azedo e, ao mesmo tempo, aumentar Pitta e Kapha. Na prática, isso significa que a kombucha pode agravar certos problemas de saúde, dependendo do estado de equilíbrio/desequilíbrio dos doshas da pessoa que a toma.

Todo mundo deveria consumir bebidas fermentadas?

Antes de afirmar que kombucha faz mal ou faz bem, é preciso conhecer quem é a pessoa que está tomando a bebida. Isto é, qual é o seu estado de saúde.

De maneira geral, pessoas com problemas de Kapha e Pitta deveriam ter cuidado ao consumir kombucha. Como eu disse, o sabor azedo tende a agravar esses doshas. Na prática, isso significa que a pessoa pode sentir alterações digestivas, desconforto abdominal e até refluxo. Como as bebidas fermentadas podem atrapalhar a digestão, podem levar a um acúmulo de ama (alimentos que foram indevidamente digeridos, comumente chamados de toxinas) no corpo.

Ou seja, esse ama acumulado acaba agravando também o Vata de forma secundária e com isso pode haver outros problemas de saúde um pouco mais complexos. Aproveito também para chamar a atenção para o hábito de consumir a mesma substância diariamente, sem uma observação cuidadosa do corpo.

Hábitos nocivos

kombucha

Klara Avsenik | Unsplash

Logo, esses hábitos, realizados de forma automatizada, podem não estar alinhados com as necessidades reais do corpo. Isso não é verdade só para a kombucha, mas também para qualquer substância desde do café até o brócolis.

O fato é que uma pequena dose de uma bebida fermentada pode ser até usada de forma medicinal ou pode não trazer nenhum impacto importante para a saúde. Mas imagine alguém que toma kombucha de manhã, kefir à tarde e vinho à noite. Certamente esse excesso de fermentados pode acabar afetando a digestão e a saúde desse indivíduo.

Bem ou  mal?

Afinal, kombucha faz mal? Eu prefiro, ao tratar-se de fermentados, sempre recomendar cautela. Se for consumir, que seja em pouca quantidade e sempre observando sua digestão e seu corpo. Afinal, kombucha não é uma substância indispensável e não existem problemas de saúde causados por ausência ou deficiência dessa bebida.  Se uma pessoa apresenta determinado problema de saúde é preciso entender a causa desse desequilíbrio. Infelizmente, não existe uma bebida mágica ou elixir da vida eterna capaz de curar todos os males.

Por fim, é importante ter contato com o sabor azedo. Porém, normalmente substâncias com esse sabor devem ser consumidas em pequenas quantidades. No caso da kombucha, veja como você se sente depois de consumi-la. É isso que vai te ajudar a decidir se você mantém o consumo ou não.

Conclusão

Eu, por exemplo, não me sinto muito bem quando tomo kombucha. Noto que ela atrapalha um pouco a minha digestão. Mas isso não significa que o mesmo vai ser verdade para você. Espero que esses esclarecimentos tenham contribuído, não apenas para entender se kombucha faz mal, mas também para compreender que nada deve ser usado todo dia por todo mundo. A saúde é um equilíbrio dinâmico e devemos estar sempre atentos a ela e buscando maneiras de preservá-la. 

Esse artigo é baseado em um vídeo do Projeto 0800 em que eu falei sobre o assunto. Fica o convite para você assistir ao programa, que vai ao ar todos os dias às 8 horas da manhã pelo Instagram e Youtube do Vida Veda.

Um abraço e lembre-se sempre: SAÚDE É LIBERDADE!


MATHEUS MACÊDO é o primeiro brasileiro a se formar em medicina na Índia com especialidade em Ayurveda no curso BAMS (Bachelor in Ayurveda, Medicine and Surgery). Viveu na Índia quase 7 anos e de lá criou a Vida Veda, uma empresa social dedicada a divulgar o conhecimento ayurvédico em língua portuguesa. Carioca, vive em Guimarães, Portugal, e percorre o mundo dando palestras sobre Ayurveda e Medicina Integrativa.

*Os textos de nossos colunistas são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião de Vida Simples.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 236, outubro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*