Do lado de dentro de um sorriso

  • Cris Guerra
  • FOTOGRAFIA: Allef Vinicius | Unsplash

Onde nasce a alegria, o contentamento com o mundo, e o que podemos fazer para tê-la bem pertinho  
Se pararmos para pensar, é contraditório que o gesto humano de mostrar os dentes seja sinônimo de abrir uma janelinha da alma. O homem é o único animal que mostra os dentes em sinal de alegria. As outras espécies, em sua maioria, fazem-no para avisar que não estão de brincadeira. Há exceções, como o chimpanzé, que faz uma expressão parecida com a nossa para demonstrar descontração – nada que possamos chamar de alegria. Nem mesmo a “gargalhada” da hiena expressa riso ou simpatia.

Por outro lado, não é por sermos racionais que a nossa alegria tem receita. O sorriso aparece porque a alegria já está ali e pronto. Talvez seja por isso que algumas vezes é difícil ficar alegre no Natal. Essas datas “programadas para nos fazer sorrir” costumam dar um nó na cabeça.

E como a alegria é uma transgressora nata, não aparece forçada, não está nem aí para a foto; ao contrário, adora bagunçar o cabelo e fazer careta. Certinha é a última coisa que uma alegria é. A arcada pode até ser alinhada, mas é no defeito que mora o selo de autenticidade de um sorriso: espontâneo, torto, escandaloso – se for perfeito estraga tudo.

Precisamos aprender a reconhecer essa sensação no momento em que ela acontece, em lugar de só notar quando ela nos falta. E compreender, de uma vez por todas, que a alegria tem um quê de anarquista. Não quer dominar o mundo nem se mete na vida alheia.

Melhor seria chamar quem está alegre de contente – veja você que palavra linda. Se o alegre é bonito, o satisfeito é meio esquisito e o feliz anda meio desgastado pelo uso, o contente diz tudo. Palavra plena, repleta, contida do suficiente. De hoje em diante, quero ficar contente. Melhor que alegre ou feliz. Olhar em volta e reconhecer: tenho motivos. Sempre tenho.

CRIS GUERRA acaba de lançar Procurava o Amor em Jardins de Cactos. Escritora, apaixonada por moda, acha que até as palavras servem para vestir. Escreve mensalmente na edição impressa de Vida Simples

 


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 212, outubro de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Nem tudo vai dar certo: É possível encontrar novos caminhos quando as coisas não saem como o planejado



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*