Desmistificando a meditação e a mente

  • Mariana Nahas

Em outras palavras, a meditação não é um exercício mental, mas um estado que a mente adentra, onde você permanece consciente o tempo todo do que está acontecendo.

 

Nunca se falou tanto em meditação como hoje. Cada dia mais as pessoas estão buscando a meditação como uma forma de sanar seus problemas físicos, emocionais e espirituais. Porém, ainda escuto muito mais pessoas falando da dificuldade em meditar do que pessoas falando dos benefícios que a meditação traz em suas vidas.

Isso acontece porque ainda existem muitas crenças de que meditar é difícil, meditar é pra poucos ou que meditar requer muito esforço.  Além, é claro, de muitos mitos e expectativas em torno da meditação. Isso atrapalha e confunde muito as pessoas, pois meditar é um ato individual e a experiência meditativa vai ser muito diferente de pessoa para pessoa, dependendo da estrutura de cada mente.

A grande questão, e a chave para desmistificar a meditação, é entender o papel da mente no processo meditativo. Ela não desliga, isso é um fato. Vamos então dar outro significado ao papel da mente durante o processo.  Primeiramente, a mente é fator fundamental e libertador para que você alcance a meditação profunda. Não devemos nem podemos descartá-la. Da mesma forma que o coração foi feito pra pulsar, a mente foi feita pra pensar. Ela é a estrutura criada por Deus que nos permite interagir e dar significados as nossas experiências. E meditar é uma experiência. A mente, portanto, estará presente o tempo todo.

É mais fácil controlar o vento do que a mente

mente e meditação

O que irá modificar por meio da prática meditativa será a sua relação com a mente. Você deixará de se identificar com os pensamentos, sentimentos e pontos de vista que a mente consciente te trará e será mais fácil se tornar o observador da sua realidade. Isso acontece, pois durante o estado meditativo a mente consciente apenas experiência e observa o que está acontecendo, mas a condução da experiência é feita através da sua mente inconsciente ou sua consciência superior.

Como Arjuna diz no “O Bhagavad Gita”, texto que traduz a essência do conhecimento védico da Índia e um dos maiores clássicos de filosofia e espiritualidade do mundo: “é mais fácil controlar o vento que a mente”. No entanto, é através dela, de forma consciente, que vem a libertação.

“Com a ajuda de sua mente, a pessoa deve liberar-se, e não degradar-se. A mente é a amiga da alma condicionada, e é também a sua inimiga.” (Bhagavad-gīta 6.5). Isso significa que na existência material, a pessoa sujeita-se à influência da mente e dos sentidos do corpo. Portanto, ela deve ser treinada para que as pessoas se liberem das suas tendências a se identificar com os pensamentos e julgamentos. E não mais se deixem atrair pelo brilho da natureza material e então, a alma condicionada conseguirá libertar-se e salvar-se.

“Para o homem, a mente é a causa do cativeiro e a mente é a causa da liberação. A mente absorta nos objetos dos sentidos é a causa do cativeiro, e a mente desapegada dos objetos dos sentidos é a causa da liberação.” (Amṛta-bindu Upaniṣad 2)

Uma condução divina

A meditação entra como uma ferramenta fundamental para essa liberação. Ela nos oferece a oportunidade de nos observamos em ação, internamente, sem a identificação. Ela serve também para que a mente racional, lógica e linear presencie uma experiência transcendental, nada lógica, racional ou linear. Com isso, passe a confiar e se entregar a voz da consciência superior sem resistência ao longo da vida cotidiana.

Em outras palavras, a meditação não é um exercício mental, mas um estado que a mente adentra, onde você permanece consciente o tempo todo do que está acontecendo, mas ao mesmo tempo está inconsciente, uma vez que a meditação é uma experiência dissociativa, pois te leva a vivenciar e sentir coisas que não são esperadas ou previstas pelo pensamento racional, lógico e linear. É como se houvesse uma condução divina através de consciência superior.

Portanto a meditação é muito mais sobre confiança e entrega ao desconhecido inconsciente do que força e controle da parte consciente. O objetivo da meditação é entrar em estado de meditação profunda onde acontece o que chamamos de Samadi, em sânscrito , “onde tudo está resolvido” ou “meditação completa”. A mente se torna apenas o observador da experiência meditativa, totalmente entregue e absorvida pela experiência. Mente e experiência, consciente e inconsciente se tornam um.

A experiência é tudo o que há. Acredite, é possível! Não desista da meditação. Ela é uma ferramenta muito poderosa que vai ajudar você a fazer a jornada da vida com mais conexão, leveza, harmonia e possibilidades.

 

Mariana Nahas é coach de vida, terapeuta integrativa, facilitadora de meditação e idealizadora do Programa de Desenvolvimento Pessoal Ser Humano. Acredita que o autoconhecimento e a autocompaixão são as chaves para despertar em nós o ser de infinitos recursos internos que somos enquanto seres conscientes. Escreve quinzenalmente no Portal Vida Simples. Seu instagram é @mariananahas_.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 216, fevereiro de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Como lidar com a ansiedade: Acolher as angústias e entender que a responsabilidade por ficar bem não é só nossa trazem menos culpa e mais liberdade



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*