Dá para ser emocionalmente mais inteligente?

  • Ana Paula Puga
  • FOTOGRAFIA: Asdrubal Luna | Unsplash

Dá, a resposta é: Sim, dá sim. E é isso que você aprenderá ao ler esse texto.

Ter Inteligência Emocional significa ser capaz de racionalizar o que é instintivo!

Se suas ações e reações são carregadas de sensações que o incomodam, elas fazem de você alguém que age por instinto. Se consegue agir e reagir de maneira positiva apesar das sensações incômodas, então pode dizer que agiu com Inteligência Emocional.

Não se trata de negar que possui sentimentos como a raiva, medo, ciúmes ou tristeza. Aliás, vivemos um tempo onde esses e outros sentimentos – chamados “negativos” – não encontram acolhimento nas outras pessoas.

Uma criança chorando escuta de seus pais: “Isso não é motivo para chorar”

Uma esposa escuta do esposo: “Você não precisa sentir ciúmes de mim”

Uma amiga magoada escuta da outra: “Não fique triste por isso”

Um aluno escuta da professora: “Não pode ficar bravo com o amiguinho”

Essas atitudes podem até estarem carregadas de boas intenções, mas elas não acolhem nem humanizam sentimentos e emoções que são exclusivamente humanas e que precisam ser vividas, acolhidas, elaboradas e transformadas. Negá-las, recriminá-las ou não aceitá-las não ajuda nesse processo.

Para isso, para ser capaz de racionalizar o que é instintivo, é preciso passar por três etapas:

  • IDENTIFICAÇÃO
  • EXPRESSÃO
  • CONTROLE

 

“Identificar” é reconhecer o que estiver sentindo. É identificar qual é a emoção que o está incomodando, para então saber como lidar. É dar o nome certo para o sentimento: É frustração? É orgulho? É raiva? É tristeza?

“Expressar” é encontrar ferramentas adequadas para manifestar a emoção de maneira saudável. É o que, em Psicologia, chamamos de canalizar essa energia que o sentimento desperta para outras atividades como esportes, artes, meditação…  Emoção represada vira sintoma físico, portanto cuidado!

Por último, “Controlar” é a etapa onde, após ter conseguido identificar e nomear o sentimento, tendo à mão recursos e ferramentas adequadas para manifestá-lo de maneira saudável, você deixa de ser dominado pelo sentimento e emoções para, então, dominá-los. Quando controlo as emoções no lugar de ser controlado por elas passo a Agir e Reagir de maneira mais positiva.

Comece por você. Passo a passo.
Depois empenhe-se a ajudar alguém: seu filho, um amigo, um colega de trabalho, seus alunos…

Acolha antes de tudo.
Mostre que você se importa.
Que você entende e que também já passou por isso.

Humanize-se a si e às outras pessoas.

Mais amor por favor!


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 208, junho de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Entenda como reconhecer o que te esgota e também o que fortalece. E assim siga por um caminho de mais amor e carinho por si mesmo


COMENTÁRIOS

  • Sueli

    Gostsria de recrber mais instruçoes muito bom

    Responder
  • Nadua

    Perfeito!!
    Mais Amor por favor!!

    Responder
  • Itana

    Amei o texto. Pode dar mais exemplos de ferramentas para expressar a emoção? Como podemos saber quais se identificam com as emoções do momento?

    Responder
  • Cristina H. Yui

    Controlar racionalmente as emoções que são os gatilhos para reações automáticas, aprendidas pode parecer uma boa solução, mas na realidade é apenas metade do caminho… o caminho saudável vai muito além disso…o “controle” implica em aumento do tônus muscular para “se segurar”, origem das dores físicas provocadas pelas dores emocionais. Nossas reações emocionais, as situações de conflito são o resultado das nossas experiências precoces de vínculo, que promovem ou não o desenvolvimento da nossa resiliência, autoestima, crenças (limitantes) sobre nós mesmos, e em relação ao mundo , capacidade de avaliar as situações e tomar “atitudes” coerentes…a tomada de decisão (papel do córtex frontal -raciocínio) não implica que o indivíduo conseguirá, agir de forma tranquila e coerente com a sua decisão. Fosse assim, tudo na vida seria mais fácil ! A questão central é que mudança de comportamento, atitudes, são papel desempenhado pelo sistema límbico (cérebro Emocional) que está intimamente ligado às memórias emocionais do corpo, na sua maioria em nível inconsciente…a verdadeira “conscientização” (identificação da causa da raiva, por ex, ao escutar uma crítica e não somente da emoção em si) na mente e no corpo, e ressignificação da experiência original, precoce é que poderá promover naturalmente, a transformação do comportamento ( mudar de atitude em relação a) .
    Como diz Antônio Damásio, sempre existe uma emoção de fundo, conduzindo nossos pensamentos e determinando o nosso comportamento. Consciência e corpo são indissociáveis! Quer saber mais?
    Leia sobre “Toque Integrativo Somato Emocional”

    Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

     

    Campos obrigatórios*