Chinelo com meia

  • Lu Gastal

Dê um google “chinelo com meia” e você vai se deparar com muitas imagens um tanto peculiares. Trata-se de um par nada perfeito que traduz total amor!

Perdoe-me quem mora em lugares quentes, sei que o Brasil é imenso e o clima se divide em seis categorias, mas em tempos de ficar em casa é impossível manifestar com palavras a sensação de calçar um par de chinelos com pés cobertos por um par de meias. Enquanto alguns fashionistas elegeram a dupla como o hit da quarentena, outros torcem o nariz. Aceito, respeito e ponto final. O que eu quero mesmo é afago na alma, um “quentinho no coração”, e nada mais perfeito e indicado que um par de chinelos sobre um par de meias. Simples assim.

Indicado para ficar em casa e para aquelas fugidinhas rápidas em locais onde nos sentimos à vontade (por favor, não ouse calçar chinelos com meia na entrevista daquele emprego que você mais desejou na vida!!). Ouso dizer que esse casamento causa sensações de autoamor, como se os pés da gente fossem encapsulados por um aconchegante abraço.

chinelo com meia

Além de usufruir desse delicioso, pouco glamouroso e incompreendido hábito, também costumo divagar e observar as coisas belas do dia a dia, tipo um café passado, uma florzinha no vaso, as quais classifico de pequenas felicidades. Talvez o momento nos desafie a desconectar o olhar do frenético mundo digital para enxergar o belo no mundo analógico. Os detalhes quase sempre estão ali, debaixo do nosso nariz, o que a gente precisa é estar atento. Ao invés de buscarmos incessantemente a felicidade das propagandas de margarina, por que não celebrar a vida e suas cotidianas belezas, tipo perceber as alegrias inerentes nos detalhes? Eu sei, você sabe, todo mundo sabe, há coisas que podem apenas parecer coisas, mas proporcionam momentos de alegria difíceis de explicar, tipo calçar chinelos com meias.

Para selar a opinião de que reparar nas coisas singelas faz bem ao coração, a matéria de capa da Vida Simples discorre exatamente a esse respeito: sobre elevar nosso olhar para apreciarmos o que brota das coisas singelas. A pauta é super pertinente e bem-vinda para os tempos difíceis que vivemos, porque a estrada segue, e é incrível quando conseguimos aproveitar o percurso para conhecer mais de nós mesmos. Quando desenvolvemos encanto pelas pequenas coisas que fazem a vida valer a pena. São os tais pequenos hábitos que nos proporcionam as tais pequenas felicidades, que eu classifico de “quentinhos do coração”. Das atuais coisas luxuosas da vida, se é que me faço entender. Segundo minha amiga-irmã Gabi, chinelo com meia é ser de verdade – tipo certificado de autenticidade. E tá dito!

Só fica a dica: vale caprichar no par de meias – fuja daqueles com furo no dedão! Beijos meus.


Lu Gastal trocou o mundo das formalidades pelo das manualidades. Advogada por formação, artesã por convicção. É autora do livro “Relicário de afetos” e participa de palestras por todos os cantos. Desde que escolheu tecer seus sonhos e compartilhar suas ideias criativas, não parou mais de colorir o mundo ao seu redor. Seu instagram é @lugastal.

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 235, setembro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*