Ayurveda de verdade é só na Índia?

  • Matheus Macedo
  • FOTOGRAFIA: Megumi Nachev (Unsplash)

É quase impossível separar Ayurveda do local onde essa medicina milenar nasceu, mas sempre fica a dúvida: só existe Ayurveda de verdade na Índia?

 

Muitas pessoas me perguntam se precisam fazer yoga, cultuar deuses hindus, ou até deixar de comer cebola para serem ayurvédicas. Isso acontece porque mesmo conhecendo o Ayurveda, ainda existem muitos conceitos que se misturam e acabam virando um verdadeiro novelo enroscado. A missão deste artigo é desfazer esses nós para que você possa seguir essa jornada de saúde sem maiores obstáculos.

Ayurveda é só na Índia?

A primeira confusão é quando me apresento como vaidya (médico ayurvédico) e alguém me olha com estranhamento, seguido por um “Mas você tem que ser indiano para isso!”. E sempre fica a pergunta no ar: Ayurveda de verdade é só na Índia? A resposta curta é “Não!”. O Ayurveda existe em diversos lugares, já que o Ayurveda não é uma medicina que se aplica só a pessoas indianas. O Ayurveda é uma ciência que estuda a saúde humana. E os seres humanos estão por todas as partes, não apenas na Índia.

Ayurveda é o carnaval dos indianos

A confusão que acontece entre o Ayurveda e a Índia é muito parecida com a confusão que há entre o Brasil e o Carnaval. O Carnaval não é brasileiro, mas o povo brasileiro pegou o carnaval e evoluiu ele a um nível de excelência que não existe em nenhum outro lugar do mundo. O carnaval vem da tradição europeia, mas no Brasil ele foi desenvolvido com tanta maestria que temos diferentes carnavais dentro do país. Decoramos as cidades, criamos músicas, tradições e fantasias. E existem muitos carnavais no mundo: na Europa, na Ásia, na América Latina, entre outros. Mas é um ponto pacífico que, se você é fã de carnaval, precisa conhecer o carnaval brasileiro pelo menos uma vez na vida.

O carnaval também sofre todas as influências religiosas do Brasil: cristãs, afro-brasileiras, mas ele se nutre delas sem necessariamente se tornar um ritual religioso, e sim se mantendo como uma festa. Podemos dizer que o Ayurveda é o carnaval dos indianos. Assim como o carnaval é diferente nas regiões do Brasil, o Ayurveda é diferente dependendo da região da Índia. Existem linhagens, maneiras diferentes de entender e praticar o Ayurveda. O Ayurveda também é presente no Sri Lanka, no Nepal e, mais recentemente, se expandiu para o mundo todo.

Portanto, se você está no Brasil, é possível ser ayurvédico adaptando as práticas à realidade de onde você vive como, por exemplo, no uso de ervas e dos alimentos da sua região ou da estação.

Medicina chinesa tem origem no Ayurveda

Aliás, o meu primeiro contato com a medicina ayurvédica foi na China. Mudei para lá quando tinha 21 anos para estudar mandarim e meu sonho era estudar medicina tradicional chinesa. Tenho fascinação pela China e estudando a medicina tradicional chinesa descobri que ela veio dos Himalaias. Lá fui eu para o Tibete, só para descobrir que a cultura médica tibetana originalmente veio da Índia.

Pesquisei bastante e descobri que a origem da própria medicina tradicional chinesa era o Ayurveda. Acabei preferindo ir para a Índia estudar do que permanecer na China. Na Índia, o Ayurveda é tão difundido que é parte do sistema público de saúde e você pode escolher ir para um hospital ayurvédico quando fica doente – ou até ser encaminhado para lá por um médico tradicional.

ayurveda

Evgeny Nelmin (Unsplash)

Então, em resumo, não existe Ayurveda de verdade só na Índia – mas experimentar o Ayurveda na Índia é uma experiência única. Uma vez que os indianos aperfeiçoaram e difundiram o Ayurveda pelo mundo mais do que qualquer outro povo. E foi por isso que eu escolhi a Índia para me formar como médico ayurvédico. Porque sabia que não existiria lugar melhor para me oferecer essa experiência.

Ayurveda é parte do Yoga?

Outra confusão totalmente comum é acreditar que Ayurveda e Yoga são a mesma coisa. E é fácil de entender porque: Ayurveda e Yoga se misturam. Afinal é natural que as pessoas que se interessam por Ayurveda curtam outros elementos da cultura indiana. Muitas pessoas chegam ao Ayurveda pelo Yoga, pela meditação, frequentando ashrams ou estudando hinduísmo. Foram atividades desenvolvidas em ambientes parecidos ao longo do tempo, dentro de um contexto cultural similar.

Então não é incomum que uma pessoa seja hare krishna e ayurvédica. Praticante de Yoga e de Ayurveda. Ou que você conheça alguém que passou um tempo na Índia, e, depois disso, aderiu aos tratamentos ayurvédicos – é natural, mas não dá para misturar. Mesmo estando no mesmo contexto cultural, não é a mesma coisa.

O Ayurveda e o Yoga são tradições irmãs que vêm da sabedoria védica, mas são entendimentos da realidade diferentes. Em sânscrito chamamos as diferentes visões da vida de darshana, as maneiras de ver a realidade. Uma das maneiras de ver a realidade é o Yoga. Eu pratico Yoga desde os 15 anos de idade, e quando entramos de cabeça no estudo, percebemos que só ali já existe um universo. Só dentro do Yoga existem muitas outras abordagens. O conhecimento dos vedas é uma tentativa de entender a realidade que inclui dentro de si uma série de paradigmas diferentes, mas que não necessariamente caminham juntos.

O Yoga é uma tradição naturalmente afim ao Ayurveda. Mas para entender a realidade complexa de cada um desses sistemas e honrá-la, precisamos nos aprofundar nas especificidades de cada ciência. O que pode levar muitas décadas.

Não pode comer alho e nem cebola?

Praticamente todos os países de cultura latina desmaiaram ao ler essa frase, porque para a nossa cultura seria quase um crime pensar em preparar a comida sem alho e cebola. Não consigo imaginar minha mãe começando a cozinhar sem fazer o tempero refogado antes, com azeite, e depois adicionar os outros ingredientes.

Se essa era a sua última objeção antes de começar a estudar Ayurveda, fique tranquilo: você pode consumir alho e cebola. De acordo com os Samhitas, os textos clássicos milenares do Ayurveda, alho e cebola são usados na alimentação e além disso, também são medicamentos. Inclusive a própria sabedoria popular brasileira usa esses alimentos para além da cozinha. Como quando as avós nos faziam um chá de alho para gripes e dores de garganta.

O alho e a cebola não possuem contraindicações para pessoas que estão saudáveis, é importante frisar. Agora, se você tem algum problema de saúde, a coisa muda de figura e talvez seja bom procurar um bom profissional de saúde, para avaliar como o seu corpo vai processar e absorver esses ingredientes. Lembre-se que casos específicos devem ser tratados de maneira específica.

Como falamos no artigo da semana passada e vale repetir, o Ayurveda não é um sistema religioso. Isso significa que não existem proibições dogmáticas na prática ayurvédica. Existem apenas recomendações que são estabelecidas de acordo com a saúde e as condições físicas individuais.

Desmisturar para se aprofundar

Falamos dessas confusões comuns porque é normal misturar termos e tradições. Principalmente quando estamos começando a estudar outras culturas e práticas. E ainda mais quando elas são tão diferentes da nossa própria cultura.

Precisamos nos dedicar a entender essas diferenças tanto por respeito a essas culturas, quanto para que nosso estudo de Ayurveda não saia prejudicado. Muitas vezes, deixar um pré-conceito ou uma pequena confusão ir longe demais pode afetar a sua saúde lá na frente. Pequenos mal entendidos podem virar grandes confusões quando você estiver aprendendo informações mais detalhadas sobre rotinas de saúde, digestão, metabolismo e tratamentos medicamentosos. Existem muitas diferenças que são claras e valem a pena prestar atenção, porque constroem uma prática ayurvédica mais sólida para a sua saúde.

Esse artigo foi baseado em uma aula que eu dei no curso gratuito ” A Essência do Ayurveda”. Se você quer conhecer um pouco mais sobre as práticas ayurvédicas, você pode assistir essa aula no YouTube, clicando aqui.


Matheus Macêdo é o primeiro brasileiro a se formar em medicina na Índia com especialidade em Ayurveda no curso BAMS (Bachelor in Ayurveda, Medicine and Surgery). Viveu na Índia quase 7 anos e de lá criou a Vida Veda, uma empresa social dedicada a divulgar o conhecimento ayurvédico em língua portuguesa. Carioca, vive em Guimarães (Portugal), desde 2020, e percorre o mundo dando palestras sobre Ayurveda e Medicina Integrativa.

*Os textos de nossos colunistas são de inteira responsabilidade dos mesmos e não refletem, necessariamente, a opinião de Vida Simples.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 236, outubro de 2021 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*