A palavra do ano

  • Luciana Pianaro
  • FOTOGRAFIA: Cathryn Lavery | Unsplash

Era uma manhã de dezembro, eu e uma querida amiga fazíamos uma viagem até Sorocaba (SP), onde encontraríamos outros amigos para um encontro de final de ano. Conversávamos sobre tudo e ela me contou que naquele ano estava estudando a morte. Achei estranho, mas ela explicou que queria entender as diversas visões do fim do ciclo da vida do ponto de vista filosófico e espiritual. Contou-me vários aprendizados lindos, o que fez com que aquele tema ficasse leve. Questionei o porquê daquilo e ela me contou que, a cada ano, dedicava-se a um tema. Já tinha estudado o amor, a fé, e, naquele momento, a morte. Ela chamava de “a palavra do ano”. Aquela conversa me inspirou para que definisse a minha palavra do ano. Àquela altura, minha jornada já se mostrava com vários trechos pedregosos. Eu precisava simplificar muita coisa e defini uma palavra: simplicidade. Foi um ano de muito aprendizado. Um exemplo sobre essa mudança: nunca mais comprei roupas complicadas ou difíceis de vestir!

Desde então, todos os anos, defino uma palavra que será minha companheira ao longo dos 12 meses seguintes. Já passaram por mim a leveza, a ousadia, a intuição, a serenidade, a aceitação, a transgressão. E, a cada ano, nunca abandono a anterior.

Todas as minhas atitudes sempre levam em consideração essas palavras. Com isso, vou construindo a mim mesma pela observação daquilo que preciso melhorar. Entre o Natal e o ano-novo, costumo escrever o resumo do ano: as conquistas, os aprendizados, as metas pessoais e profissionais e, claro, a palavra do ano seguinte, que, muitas vezes, vem numa espécie de intuição. Para 2019 será bem-estar. Cuidar mais do corpo, da mente e do espírito. O ano de 2018 foi intenso e um dos mais difíceis que tive, e não consegui ter esse cuidado adequadamente. Ao cuidar mais de mim, cuidarei mais dos outros (de você leitor, inclusive), dos negócios e do mundo.

Minha sábia amiga se foi há quase dois anos. Morreu subitamente, muito jovem. Deixou um grande legado de amorosidade, espiritualidade, amizade. A ela, eu serei eternamente grata por muitas coisas, mas talvez esse aprendizado tenha sido o que mais ficou marcado e o que, ano após ano, me ajuda a ser uma pessoa melhor. Obrigada, querida Dulce Magalhães. Que, em 2019, tenhamos mais bem-estar, leveza, ousadia e simplicidade. Que possamos transgredir um pouco para dar um colorido à vida, que saibamos agradecer pelo que nos acontece, que olhemos a vida com serenidade. Feliz Novo Ano!


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 208, junho de 2019 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Entenda como reconhecer o que te esgota e também o que fortalece. E assim siga por um caminho de mais amor e carinho por si mesmo


COMENTÁRIOS

  • Marilia paiva

    Também escolho um verbo para reger meu ano! Em um escolhi ousar e fui morar com um homem 27 anos mais velho do que eu. Tivemos uma relação de 11 anos! Outra ocasião, escolhi desacelerar pq precisava de tempo e de mais calma. É assim faço. Esse ano é adaptar ! Preciso mudar de cidade, e será um aprendizado é uma adaptação! Mas nunca pensei como tema! Achei bem interessante.

    Responder
  • eloah

    Amei demais essa proposta…a cara do meu momento ressignificante incessante…difícl escolher a palavra do ano, rs ainda não sei qual será a minha mas vou escolher com calma e tornar um hábito, que vou divulgar na família! Obrigada e feliz Ano e Você Nova!! Bj com carinho Eloah Dias.

    Responder
  • Mônica Reis

    Que texto maravilhoso! Esclarecedor e inspirador! Amei! A minha palavra do ano é ORGANIZAÇÃO para que eu possa deixar de lamentar a rotina intensa e viver melhor. De forma que os meus propósitos estejam alinhados com a minha realidade. Obrigada.

    Responder

  • TAMBÉM QUERO COMENTAR

     

    Campos obrigatórios*