A Ganha-Pão: a coragem de mudar o mundo

  • Suzana Vidigal
  • FOTOGRAFIA: Divulgação Copyright Le Pacte

No filme A ganha-Pão, Parvana é uma garota afegã que precisa se fingir de menino para sobreviver e nos inspira a seguir com força e vontade de mudança

 

Parvana mora em Kabul, é filha de um professor e de uma escritora, e adora ouvir histórias. Tem 11 anos, sabe ler e escrever – diferentemente da maioria da população –, mas já não pode mais ir à escola.

O enredo da animação A Ganha-Pão (The Breadwinner) volta para 2001, quando o Talibã assume o poder no Afeganistão e tira das mulheres o direito de andar na rua sem um homem da família, de fazer compras, de estudar, de mostrar o rosto, de existir. A elas, cabe somente procriar e obedecer.

Mas Parvana faz diferente. Quando seus pais são proibidos de exercer a profissão, sustentar a família passa a ser um sufoco. O pai é preso, o irmão morre ao pisar numa mina, e a corajosa Parvana percebe que a saída é se passar por menino pra tentar ganhar um dinheiro e comprar comida. 

Indicada ao Oscar e ao Globo de Ouro em 2018 e premiada em vários festivais mundo a fora, esta preciosa animação, da irlandesa Nora Twomey, fala essencialmente de coragem, mesmo quando as chances de atingir o objetivo são ínfimas. 

Impecável na narrativa profunda, vale ver em família – inclusive porque os diálogos entre Parvana e os pais são lúcidos e maduros. Mas não é para crianças pequenas. Traz a beleza das cores do deserto nos diversos tons de ocre e areia, pincelados por cores fortes do véu, dos olhos, dos detalhes; traz o traço fora dos padrões das animações mais populares, embelezando ainda mais sua forma e conteúdo; mas traz também a dor intensa da violência física e moral. 

Em tempos de Malala e Greta Thunberg, A Ganha-Pão cai como uma luva nesse perfil arrojado das jovens meninas que se apropriam daquilo em que acreditam, enchem-se de coragem e botam a boca no mundo. Literalmente, como diz, inclusive, Parvana no desfecho: “Levante suas palavras, não sua voz. É a chuva que faz as flores crescerem, não o trovão”.

Onde assistir: Netflix

 

Suzana Vidigal é tradutora, jornalista e cinéfila. Gosta de pensar que cada filme combina com um estado de espírito, mas gosta ainda mais de compartilhar com as pessoas a experiência que cada filme desperta na mente e na alma. Em 2009 criou o blog Cine Garimpo (www.cinegarimpo.com.br e @cinegarimpo) e traz, quinzenalmente, dicas de filmes pra saborear e refletir. 


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 219, maio de 2020 ASSINAR
COMPRAR A EDIÇÃO

NESTA EDIÇÃO

Saiba recomeçar: Podemos enxergar outros horizontes mesmo quando algumas portas se fecham. Veja como lidar com os desafios e encontrar oportunidades de ser feliz.



TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*