100 Dias com Tata: Um filme para celebrar o Dia dos Avós em 26 de julho

  • Suzana Vidigal
  • FOTOGRAFIA: Divulgação/Netflix

Para celebrar o Dia dos Avós, nesse 26 de julho, Suzana Vidigal nos traz a indicação do documentário “100 Dias com Tata”.

 

O mundo não está desenhado para idosos, mas finalmente estamos inserindo essas ilustrações no caderno da vida. Demorou, mas agora estamos atentos ao futuro dos nossos pais e avós. Foi-se o tempo em que a terceira idade era povoada de idosos pacatos e desinteressados, sem vontade de aprender ou viver experiências novas. Sim, agora eles têm futuro, e como!

Dia 26 de julho é o dia dos avós e temos muito o que comemorar. E não é só a ciência a responsável pela longevidade. Temos que convir que uma jornada de vida mais cuidadosa com o corpo, alimentação, relações familiares, aprendizado, prazer e lazer contribuem — e muito! — para transformar a terceira idade em “melhor idade”, como temos chamado.

 

Novas visões

Digo sempre que o cinema tem sua contribuição no sentido de transformar nossa percepção do mundo — e é firme também neste aspecto. Não só está ajudando a combater o etarismo, dando protagonismo para atores nesta faixa etária, mas também tem trazido narrativas que valorizam a experiência e sabedoria adquiridas durante a vida, a troca geracional e o aprendizado que rejuvenece o corpo e a alma.

O documentário 100 Dias com Tata, do ator e diretor espanhol Miguel Ángel Muñoz (disponível na Netflix), ilustra o poder da relação entre netos e avós, na sua perspectiva mais afetiva, singela e generosa que se possa imaginar. Miguel Ángel sempre foi muito ligado à sua tia-bisavó Tata e resolveu, antes da pandemia, documentar sua vida.

A ideia era filmar viagens, fazer um perfil nas redes sociais, produzir um filme. Tata, hoje com 97 anos, é uma senhora ativa, com ótimas tiradas, divertida e muito bem humorada.

Assista ao trailer:

 

VOCÊ PODE GOSTAR

Heartstopper: uma série para aquecer o coração

Dia do Cinema Brasileiro: 5 filmes imperdíveis

“Inspira”: um filme sobre conexões humanas

 

História na pandemia

Acontece que a pandemia chegou avassaladora e Miguel Ángel e Tata tiveram que ficar confinados por 100 dias, em um apartamento de 35 m², e foi preciso reinventar esta relação para passar pela tormenta, pelas incertezas e problemas financeiros. O que vemos neste documentário é uma demonstração de afeto em mão dupla.

Enquanto Miguel Ángel precisou se concentrar nos cuidados evidentes que a idade exige, é ela quem abastece seu coração com sua vontade de viver e aprender, com suas tiradas inesperadas e divertidas, com seu largo e sincero sorriso.

Os dois embarcam nos 100 dias com cuidados e respeito mútuo, mostrando ao mundo através de lives no seu perfil do Instagram (@soylatatareal) o que era sua rotina durante a quarentena.

Celebremos os avós. Sempre agradeço por meus filhos terem os seus bem pertinho, trocando conhecimento, impressões, vivências. O interesse de um pelo outro é a maior herança que deixam para as gerações que têm o privilégio de conviver com sua família da melhor idade.

 

Confira todos os textos da coluna de Suzana Vidigal em Vida Simples.


SUZANA VIDIGAL (@cinegarimpo) é tradutora, jornalista e cinéfila. Gosta de pensar que cada filme combina com um estado de espírito. Mas gosta ainda mais de compartilhar com as pessoas a experiência que cada filme desperta na mente e na alma. Autora do blog Cine Garimpo, traz dicas de filmes para saborear e refletir.

 

*Os textos de colunistas e não refletem, necessariamente, a opinião de Vida Simples.


POSTS RELACIONADOS

EDIÇÃO DO MÊS

Edição 246, agosto de 2022 COMPRAR

TAMBÉM QUERO COMENTAR

 

Campos obrigatórios*